Bordallo Pinheiro vai ter “sotaque brasileiro”

Author: Share:

A Bordallo Pinheiro, marca centenária de faianças artísticas responsável pela criação de peças que fazem parte do imaginário de várias gerações e que são indissociáveis da Cultura e da História de Portugal, abriu as portas da sua fábrica, nas Caldas da Rainha, ao outro lado do oceano Atlântico, e convidou 16 dos melhores artistas plásticos brasileiros da actualidade a reinventar o imaginário da marca fundada por Rafael Bordallo Pinheiro.

Esta iniciativa – “16 BB – Bordallianos do Brasil” – marca o pontapé de saída da estratégia de internacionalização das Faianças Bordallo Pinheiro para o Brasil, país onde, há mais de 110 anos, Rafael Bordallo Pinheiro deixava a mais importante peça algum dia produzida nas Caldas da Rainha: a famosa “Jarra Beethoven”, com os seus imponentes 2,60 metros de altura, exemplar único que Bordallo Pinheiro ofereceu à Presidência da República do Brasil, em 1899, e que está exposta no Museu Nacional de Belas Artes, em São Paulo.

Este projecto artístico de diálogo luso-brasileiro sobre o legado das Faianças Bordallo Pinheiro vai trazer à fábrica das Caldas da Rainha, até Março de 2012, 16 artistas plásticos brasileiros de diversas áreas, desde a pintura à escultura, passando pelo estilismo e moda.

Durante o processo criativo, cada artista passará dez dias em Portugal, ao longo dos quais tomará contacto com a fábrica da Bordallo Pinheiro nas Caldas da Rainha, onde ficarão familiarizados com o modo de fabrico das peças da marca, as várias técnicas utilizadas, e procurarão inspiração para a peça que eles próprios irão criar ou recriar, depois de conhecerem o enorme legado histórico da marca Bordallo Pinheiro.

A iniciativa vai culminar na criação de 16 peças únicas Bordallo Pinheiro com “sotaque brasileiro”, limitadas a 250 exemplares: 125 exemplares destinados ao mercado português e outras 125 peças que serão comercializadas no Brasil. Estas peças serão lançadas no final de 2012 em duas exposições – em Lisboa e em São Paulo –, em espaços de referência museológica de arte moderna e contemporânea de Portugal e do Brasil.

O projecto artístico de internacionalização da marca Bordallo Pinheiro no Brasil, “16BB – Bordallianos do Brasil”, conta com Saint Clair Cemin (escultor, com o seu trabalho exposto em vários museus do mundo e com várias obras de arte pública espalhadas pelo globo), Barrão (pintor, escultor, artista multimédia, com obra exposta em todo o mundo), Caetano de Almeida (pintor que integra várias colecções internacionais), Tunga (escultor e desenhista com currículo internacional), Regina Silveira (pioneira da vídeo-arte brasileira e professora de grandes nomes artísticos contemporâneos do Brasil), Efrain de Almeida (escultor, com influência religiosa, e intensa participação em bienais da América do Sul), Fábio Carvalho (pintor, representado em diversas colecções internacionais), Frida Baranek (escultora, representada em várias colecções internacionais, reside actualmente em Londres), Marcos Chaves (artista plástico que recorre muito à fotografia e vídeo, com exposições em todo o mundo), Sérgio Romagnolo (pintor, escultor e professor na Universidade Estadual de São Paulo), Tonico Auad (artista plástico que utiliza desenhos, instalação e fotografia na sua obra internacionalmente exposta e reconhecida, reside actualmente em Londres), Tiago Carneiro da Cunha (pintor e escultor, expõe regularmente em todo o mundo, integrando várias colecções internacionais), Erika Versutti (escultora, representada em diversas colecções internacionais), Estela Sokol (pintora, expõe regularmente no Brasil e internacionalmente), e as estilistas de renome mundial Isabel Capeto e Martha Medeiros.

O primeiro artista a iniciar a aventura bordalliana já está em Portugal a trabalhar. Trata-se de Caetano de Almeida, pintor, que vive e trabalha em São Paulo. Já tem obra apresentada e reconhecida no estrangeiro (nomeadamente na colecção BES), em Nova Iorque e em Madrid.

“Rafael Bordallo Pinheiro tinha uma ligação ímpar com o Brasil, onde viveu anos antes de criar as Faianças Bordallo Pinheiro, fundando diversos projectos jornalísticos e culturais. Sentimos, ao lançar o convite a estes 16 artistas contemporâneos brasileiros, que este seria, indiscutivelmente um projecto com o qual Rafael se identificaria, aliás porque a amizade do nosso fundador com o Brasil era tão forte que, ao virar do século XIX para o XX, Bordallo Pinheiro deixou ao cuidado da República brasileira a mais emblemática obra algum dia produzida nos fornos da fábrica das Caldas da Rainha: a ‘Jarra Beethoven’, exemplar único de uma peça monumental de 2,60 metros de altura”, explica Nuno Barra, Director de Marketing da Bordallo Pinheiro.

“Queremos arrancar a internacionalização da marca Bordallo Pinheiro para o mercado brasileiro no final de 2012, ancorados neste projecto artístico, que pretendemos que seja revelado em São Paulo, mas que, posteriormente, itinere pelo país inteiro, levando a obra e a arte da marca centenário Bordallo Pinheiro a um mercado com um enorme potencial de crescimento”, revela o responsável, que desvenda a estratégia em curso: “O futuro da Bordallo Pinheiro passa, inquestionavelmente, por parcerias internacionais com artistas plásticos e diálogos com outras culturas. Queremos levar a Bordallo Pinheiro a todo o mundo, enriquecendo ainda mais a sua história e o seu legado artístico”.

O projecto Artistas Brasileiros em curso conta, desde o início, com o apoio da TAP e do Sana West Coast Hotel.

Informação relacionada

Deixar um comentário