Colheitas de 2011 dos brancos da JMF chegam ao mercado

Author: Share:

A José Maria da Fonseca acaba de lançar a colheita de 2011 de dois dos seus vinhos brancos de maior sucesso em Portugal: o Periquita Branco e o BSE – Branco Seco Especial.

Nesta nova colheita de Periquita Branco ao já habitual Moscatel de Setúbal juntou-se o Verdelho, o Viogner e o Viosinho. A contribuição de cada uma desta castas é bastante diferente: enquanto que o Moscatel de Setúbal e o Verdelho contribuem para a sua complexidade aromática, o Viogner dá estrutura ao vinho e o Viosinho fornece-lhe acidez e frescura. O resultado é um vinho mais complexo e encorpado, mantendo a sua intensidade aromática.

A José Maria da Fonseca registou a marca Periquita em 1941. Por este motivo, o Periquita é hoje em dia a mais antiga marca de vinho de mesa Portuguesa tendo adquirido, ao longo do tempo, uma crescente popularidade em Portugal e uma considerável notoriedade em mercados sofisticados tais como a Suécia, o Brasil, Reino Unido, Estados Unidos da América, Canadá, Dinamarca e Noruega.

Produzido desde 1947, “BSE” significa “Branco Seco Especial” e é uma das marcas mais emblemáticas da José Maria da Fonseca. Também proveniente da Península de Setúbal, o BSE caracteriza-se pela sua frescura e acidez equilibradas, aliadas a delicados aromas frutados. O seu lote resulta de um blend de 3 castas brancas tradicionais do nosso país: Antão Vaz, Arinto, Fernão Pires.

Ficha técnica Periquita 2011
Castas: Moscatel de Setúbal (30%), Viogner (30%), Verdelho (30%) e Viosinho (10%)
Tipo de Solo: Arenoso
Produção: 90,000 Litros
Cor: Amarelo citrino
Aroma: Citrino, alperce, frutos tropicais (abacaxi, banana e lima)
Paladar: Frutado, com boa acidez e bem equilibrada com a fruta
Final de Prova: Médio
Vinificação: Fermentado em depósito de inox a 18ºC.
Data de engarrafamento: Primeiro engarrafamento ocorreu em Outubro 2011.
Teor de Álcool: 12,6%
Acidez Total: 5,2 gr/l ácido tartárico
pH: 3,2
Modo de servir: Servir a uma temperatura de 7ºC. Consumir a 11ºC como aperitivo ou acompanhamento de peixe ou mariscos.
Conservação em cave: As garrafas deitadas a uma temperatura ambiente de 12ºC e humidade de 60%
Longevidade prevista: Beber enquanto jovem.

Ficha técnica BSE 2011
Castas: Antão Vaz (42%), Arinto (39%), Fernão Pires (19%)
Tipo de Solos: Argilo-Calcário e Arenosos
Produção de Vinho: 244.000 litros
Cor: Amarelo citrino
Aroma: Ananás, anona, floral e banana
Paladar: Frutado, macio com boa relação fruta / acidez
Final de Prova: Médio
Vinificação: Fermentação em depósito de inox a 20ºC
Envelhecimento: Nenhum
Engarrafamento: 1º engarrafamento em Novembro 2011
Teor de Álcool: 12,4%
Acidez Total: 6,5 gr/l ácido tartárico
Ph: 3,30
Modo de Servir: A uma temperatura de 7ºC, como aperitivo ou acompanhamento de peixe, saladas e mariscos.
Conservação em cave: Garrafa deitada a uma temperatura ambiente de 12ºC e humidade de 60%.
Longevidade Prevista: Beber enquanto jovem.

Pub

Informação relacionada