Portugueses exigem medidas preventivas mais eficazes nas doenças renais

Author: Share:

Metade da população não consegue identificar as causas da insuficiência renal crónica

A população portuguesa está sensibilizada para a importância de se desenvolver esforços de alerta e consciencialização da prevenção regular da Saúde (86,5%) e em especial das doenças renais (52,5%), reconhecendo a necessidade de implementar campanhas preventivas mais eficazes nesta área. Esta é uma das principais conclusões do “Estudo de Percepções sobre a Saúde em Geral e a Insuficiência Renal Crónica”.

O objetivo primário desta pesquisa, desenvolvida pela Spirituc para a Fresenius Medical Care, é perceber qual o grau de conhecimento que os portugueses têm relativamente à prevenção da Saúde e às suas necessidades, especialmente relacionadas com a insuficiência renal crónica (uma doença provocada pela deterioração lenta e irreversível da função renal), com a finalidade de reforçar a adoção de medidas preventivas mais eficientes. O inquérito ocorreu durante o mês de Setembro, junto de uma amostra representativa de 600 pessoas, pertencentes à população portuguesa adulta de ambos os sexos.

O estudo, analisado pelo Prof. Dr. Paulo Moreira, Prof. da Escola Nacional de Saúde Pública e Diretor do International Journal of Healthcare Management (Mane Publishing, Londres) e pelo Dr. Pedro Ponce, Diretor Médico Nacional da Fresenius, demonstrou ainda que existe um desconhecimento da população portuguesa relativamente ao acesso à Saúde no nosso país, visto que 42,2% dos indivíduos não considera ser fácil este acesso, nomeadamente no setor da diálise (28,7%).

De acordo com o Prof. Paulo Moreira «este trabalho de investigação é um importante contributo para a reflexão séria sobre o futuro das políticas de saúde em Portugal. Esclarece pontos fortes da realidade dos serviços de apoio ao doente crónico e indica temas e áreas concretas de melhoria, sobretudo no que diz respeito às necessidades de mais investimento na educação em saúde de doentes e familiares. A atual qualidade dos serviços de hemodiálise é reconhecida de forma inequívoca e o espaço para novas abordagens e modelos de prestação destes serviços fica em aberto como uma oportunidade para o Futuro próximo, desde que o atual poder político assuma alguma sensibilidade para a especificidade das necessidades destes doentes e das suas famílias, assim como da própria realidade clínica associada à insuficiência renal crónica».

As conclusões deste trabalho revelam ainda que quem tem cuidados de saúde preventivos no seu dia-a-dia toma medidas como uma alimentação equilibrada (69,7%), a realização de exames e/ou consultas de rotina (39,4%) e a prática regular de desporto/atividade física (27,1%). Apenas cerca de um sexto dos inquiridos afirma não ter qualquer tipo de cuidado preventivo relativamente ao seu estado de saúde, embora os cuidados na prevenção sejam realizados maioritariamente pela população com idade igual ou superior a 65 anos (89,2%).

O estudo revelou ainda um conhecimento significativo sobre doenças como a insuficiência renal crónica (82,8%) e tratamentos como a diálise (92,5%), demonstrando que há um maior conhecimento de diferentes patologias de Saúde. Contudo, verificou-se que são poucos os que conseguem identificar as principais causas desta doença, com metade dos inquiridos (48,3%) a não conseguir indicar um fator desencadeador da patologia. Nos que arriscam uma resposta, 16,1% aponta a ‘ingestão insuficiente de líquidos’ como a principal causa, seguida pela ‘má alimentação’ (12,7%) e ainda a ‘diabetes’ (8,7%). Estes dados revelam um grande desconhecimento das causas, sobretudo porque a diabetes e mesmo a hipertensão, são das principais doenças a contribuir, direta ou indiretamente, para a insuficiência renal crónica, dando ênfase à necessidade de se reforçar campanhas de prevenção nesta área.

Embora não tenham conhecimento sobre a causa da insuficiência renal crónica, a maioria dos inquiridos (84,9%) considera a doença grave, demonstrando ser crescente a preocupação da população em cuidados específicos de saúde. Nesse âmbito, a maior parte dos entrevistados (86,5%) considera ser importante a realização de ações de prevenção sobre doenças renais, com mais de metade (52,5%) a revelar que têm cuidados preventivos nesta área, sobretudo com recurso à ingestão de água (75,9%). Quando questionados sobre a origem da adopção deste tipo de medidas, mais de metade da população inquirida (55,6%) indicou tê-lo feito por iniciativa própria e 34,9% revelou ter sido sugerido pelo médico.

Para o Presidente da Fresenius Medical Care Portugal, Dr. Ricardo Da Silva, «este estudo reflete que a população está consciencializada para os cuidados de saúde e para as doenças, demonstrando ter conhecimento da insuficiência renal crónica. Contudo as conclusões revelaram que há ainda um caminho a percorrer em termos da prevenção e sensibilização para esta doença». Este responsável salientou assim a «importância do desenvolvimento deste estudo para uma maior sensibilização da população, sobretudo para a prevenção da insuficiência renal crónica, dada a sua incidência na população e ao fato de se registarem mais de 2.000 novos casos anualmente e haver mais de 10.400 doentes em hemodiálise, num total de 17.550 em tratamento de substituição renal».

Paralelamente ao estudo descrito anteriormente, a Fresenius Medial Care promoveu entre Junho e Julho últimos, um estudo de satisfação, relativo às condições de serviço, relação e atitude comportamental dos doentes com insuficiência renal das Clínicas NephoCare, qua fazem parte do Grupo. As conclusões revelaram que a maioria desta população está satisfeita com os cuidados em diálise, não identificando necessidades de melhoria do serviço nas clínicas (68,9%) e no tratamento (85,1%). Os doentes questionados manifestaram estarem globalmente satisfeitos com os cuidados clínicos dos seus profissionais (90,3% revela um grau de satisfação com os enfermeiros e 92,7% com os médicos). Os doentes demonstraram inclusive que são devidamente informados sobre os cuidados a ter em termos de nutrição (97%), como funciona a diálise (91,2%), momento de acolhimento inicial aos doentes familiares, cuidados com o acesso vascular, entre outros.

Com este estudo, que inquiriu mais de 900 doentes com insuficiência renal a nível nacional, é realçado que o grau de satisfação dos doentes em diálise nas Clínicas NephroCare é bastante elevado (6 numa escala de 7), sendo que a quase totalidade dos inquiridos recomendaria as unidades de diálise da NephroCare para tratamentos de um familiar ou amigo (90,4% dos inquiridos).

Com o desenvolvimento deste tipo de estudos regulares, a Fresenius Medical Care procura contribuir para a melhoria dos serviços prestados e responder adequadamente às necessidades dos doentes.

A Fresenius comemora este ano o seu 100º Aniversário. Para celebrar este centenário, a companhia vai reforçar a sua política de responsabilidade social, com o desenvolvimento de diversas iniciativas comemorativas, no âmbito da sustentabilidade e da prevenção da doença renal.

+ sobre:
Fresenius Medical Care

Pub

Informação relacionada