Os melhores surfistas do mundo invadem a costa portuguesa

Author: Share:

Já não é novidade a eleição de Portugal como um dos melhores spots para a realização de eventos de competição de surf. Tudo começou há cinco anos, onde a única certeza existente era a qualidade das ondas do mar português. A verdade é que o clima, a hospitalidade, a riqueza histórica e cultural, a gastronomia típica e as paisagens diversificadas são fatores cruciais para manter Portugal como local obrigatório no circuito das provas de surf.

Se em 2013, Peniche consolidou a fama pelas suas ondas tubulares, a costa de Cascais confirmou a nível mundial a qualidade das suas ondas e a razão pela qual tem lugar cativo enquanto palco de espetáculos inigualáveis de surf.

Para atrair ainda mais os melhores do mundo, este ano a organização apostou forte numa alteração das datas agendando o evento PRIME entre o WCT de França e o WCT de Portugal. O resultado desta aposta foi a inscrição de 28 dos 34 surfistas pertencentes à elite do Surf Mundial (WCT) na prova PRIME. Entre eles encontramos nomes como Mick Fanning (três vezes campeão do mundo), Taj Burrow, Adriano de Sousa, Jordi Smith, Julian Wilson, JJ Florence entre muitos outros.

Por outro lado, o MOCHE RIP CURL PRO PORTUGAL, sujeito a um critério de ondas mais exigente e rigoroso, assenta numa janela assenta numa janela de datas teoricamente mais favorável no que respeita a ondulação.

No dia 11 de outubro termina a prova de qualificação de categoria máxima (PRIME) e, para festejar, a praia de Carcavelos abre as portas ao público, para um fim de dia com muita música e ação. MOCHE TONY HAWK & FRIENDS SHOW – num upgrade do evento do ano passado que contou com a presença de mais de 15 mil pessoas.

E porque o surf não para, dia 12 os melhores do mundo partem para a ação, disputando a prova MOCHE RIP CURL PRO PORTUGAL, onde, neste momento, os olhos estão postos no jovem brasileiro Gabriel Medina, que pode vir a conseguir a desforra da prestação de há dois anos atrás.

E, se no ano passado a organização do evento, Francisco Spinola, desejou boa sorte aos surfistas portugueses, este ano começa por agradecer-lhes.

“Quero começar por agradecer aos surfistas portugueses o esforço e o empenho em levarem o nome de Portugal além-fronteiras. É também para isso que a Ocean Events (promotor dos eventos ASP em Portugal) trabalha o ano inteiro. Tem sido uma aposta gratificante e apenas ganha pela ajuda incansável de todas as entidades e marcas que se envolvem e que realmente acreditam que temos condições para fazer muito mais e melhor. Falamos, hoje em dia, de um investimento direto de cerca de 3,2M € (WWCT 800.000,00€ Prime – 700.000,00€ e WCT 1.600.00,00€) para tornar possível a existência destes eventos. No entanto, o retorno que temos obtido, e falo numa perspetiva socioeconómico geral, é compensador. A projeção que Portugal tem ganho, baseado numa das maiores riquezas que temos – o Mar, cresce ano após ano. Esta é, de facto, a nossa maior recompensa. Para as provas, só podemos desejar boas ondas e muita gente na praia, que tem sido a chave do sucesso deste projeto.”

Cascais Trophy – Este ano Cascais volta a assegurar o Cascais Trophy, um prize Money de 50.000 USD ao melhor classificado nas provas SATA Azores Pro by Sumol (WQS Prime masculino, realizada de 2 a 7 de setembro, vitória do Jesse Mendes, Brasil), Cascais Billabong Pro – WQS Prime Masculino e Moche Rip Curl Pro Portugal – WCT Masculino.

RESUMO DO CALENDÁRIO DAS PROVAS:

  • 1 A 7 de outubro: Cascais Women´s Pro – WCT Feminino (Carcavelos/Guincho) – Prize Money de USD 250.000,00
  • 7 A 11 de outubro: Cascais Billabong Pro – WQS Prime Masculino (Carcavelos/Guincho) – Prize Money de USD 250.000,00 (a contar para o Cascais Trophy)
  • 12 A 23 de outubro: Moche Rip Curl Pro Portugal (Peniche/Guincho) – WCT Masculino – Prize Money de USD 500.000,00 (a contar para o Cascais Trophy)
  • 24 de outubro a 3 novembro: Allianz Ericeira World Juniores (Ericeira) – Prize Money de USD 150.000,00
Pub

Informação relacionada