Rapid Fit & Well: A fita métrica não engana!

Neste caso não é o algodão. É a fita métrica que não engana. Menos 10 cm de volume nas ancas, menos sete no perímetro abdominal, menos 14 na cintura e o meu cepticismo inicial foi por terra… Este foi o resultado de um mês de sessões de 20 minutos de electroestimulação muscular no centro Rapid Fit & Well em Lisboa.

Mas vamos por partes… o convite para experimentar o novo conceito de treino durante um mês chegou ao ShoppingSpirit com promessas de resultados. A curiosidade foi demasiada e fui para o primeiro treino munida de tudo quanto se leva para um ginásio, afinal ia treinar…

Mal cheguei ao centro, e antes das primeiras impressões sobre o espaço, foi-me entregue um fato, t-shirt e calções, e fui informada que podia fazer o treino em meias ou descalça. Primeira nota mental foi “esquecer” o equipamento que trouxe de casa. Não valeu a pena perder tempo a procurar os calções esquecidos no fundo da gaveta e que há meses gritavam por algum uso. As sapatilhas,… essas ficaram “amuadas” por terem sido desprezadas. Na verdade não é preciso levar nada além do básico e por básico refiro-me a roupa interior suplente, já que a que trazemos vestida fica encharcada, e chinelos. Tudo o resto está lá. Depois nos restantes treinos levamos o fato connosco e trazemos na sessão seguinte.Depois de passar uma porta entra-se na zona dos balneários. Também são diferentes.

Como o máximo de clientes que podem treinar em simultâneo no centro são quatro, existem quatro cabinas-balneários dentro do próprio balneário. Ali existe uma privacidade que não existe nos ginásios comuns. Cada pessoa tem o seu próprio espaço fechado à chave, com duche e gel de banho, banco, espelho e tapete.O primeiro impacto foi logo o de pensar que as instalações pareciam tudo menos um ginásio… mas no bom sentido. Desde logo o sossego, a personalização, o ambiente quase asséptico e minimalista. Não há nada a mais. Apenas o suficiente para proporcionar conforto, quase que podia ser confundido com uma clínica moderna. Ali não há a confusão de máquinas, de barulho, de música… a atenção dos instrutores está focada no cliente. Ali ninguém treina sozinho e o número de pessoas está sempre dependente do número de máquinas de electroestimulação muscular existentes. Na sala, além destas máquinas, existem tapetes e outros adereços de apoio aos exercícios, como bolas de vários tamanhos, bandas elásticas, entre outros.

A toalha de banho, gel de banho, creme refirmante, creme anticelulítico, creme facial, tudo está disponível para uso. Os clientes bebem ainda uma bebida isotónica no início do treino e, no final, tomam uma bebida proteica para ajudar a recuperação. Tudo está incluído no preço.

Antes de começar o primeiro treino o personal trainer faz uma avaliação a cada cliente, preenche a ficha com os diversos dados e faz um pequeno questionário para estabelecer um historial médico. Este tipo de treino é adequado a toda a gente, independentemente da idade, com excepção das pessoas que sofrem de epilepsia, os que tenham implantes metálicos no corpo (por causa dos eléctrodos), e grávidas. Durante a avaliação os clientes são medidos e pesados, mede-se a tensão arterial e os batimentos cardíacos, e depois são traçados os objectivos e elaborado um plano de treino que vá ao encontro desses objectivos.

Os treinos resultam, mas não há milagres!

rapid-fit-well-a-fita-metrica-nao-engana-video_1Apesar do meu cepticismo inicial, tive de render-me à evidência. Ao fim de um mês os resultados eram visíveis. Não se notou muito em termos de peso, algo para o qual já tinha sido alertada e também porque o objectivo que me foi traçado era mais relacionado com a perda de massa gorda. Tudo depende de cliente para cliente, mas no primeiro mês perde-se sobretudo volume e como o músculo pesa mais que a gordura, na balança podemos pesar quase o mesmo, mas em compensação temos menos volume e mais massa magra, os músculos estão mais tonificados, a sensação de ter sido atropelada por um autocarro ao sair da cama desapareceu, as dores de costas reduziram e a postura melhorou.

Mas é preciso alertar para uma questão. A electroestimulação muscular faz realmente muita coisa. Não é ginástica passiva. Os clientes fazem exercícios e movimentos suaves que são potenciados pela electroestimulação que acelera o metabolismo até seis vezes mais do que num exercício normal.

O ritmo de perda de peso é até três vezes mais rápido do que nos exercícios tradicionais. A tecnologia XBODY permite trabalhar de forma simultânea cerca de 90% dos músculos do corpo num regime de alta intensidade – 30-40 contrações por segundo em cada músculo num total de cerca de 40.000 contrações musculares numa sessão de 20 minutos, sendo a intensidade do tratamento adaptada a cada pessoa permitindo o máximo conforto.

Mas não chega. Diz o P.T. Eneias Neto que para se terem os resultados é preciso uma conjugação de variáveis, ou seja, é muito importante a técnica – os exercícios têm de ser bem-feitos para obter o maior rendimento dos músculos. Também a alimentação tem de ser saudável e equilibrada. Não é porque se queimam mais calorias com este tipo de exercício que os clientes se podem permitir a comer mais ou a fazer mais “disparates”. A equação mantém-se “para emagrecer é preciso queimar mais calorias do que as que se ingerem” por isso é fácil perceber que não há espaço para “facadinhas”. Se antes de iniciar as sessões a ingestão diária ronda as 1.500 calorias, é um contra-senso aumentar a dose para 2.000, só porque se está a treinar. É óbvio que os resultados não serão os mesmos. Uma pessoa pode queimar 600 calorias numa sessão de 20 minutos no Rapid Fit & Well, o mesmo que queimaria num treino normal de uma hora. A diferença é que devido ao efeito EPOC provocado pela eletroestimulação, a queima de calorias prolonga-se durante mais uns dias após o treino, até 1.200 em 6 horas/até 4.000 nos 2 dias seguintes, enquanto num exercício normal, a queima de calorias após o treino é residual.

A surpresa da primeira sessão!

rapid-fit-well-a-fita-metrica-nao-engana-video_2Descalça fui para a sala de treino…para vestir o XBody e ser “ligada à máquina”. O fato, de aparente estranheza, é surpreendentemente confortável. Não o podemos vestir sozinhos. É neste fato que estão os eléctrodos que são molhados, nós próprios também somos “borrifados” com água. Tudo para que haja uma boa condução dos electroestímulos. Depois o fato é ajustado ao corpo: tronco, pernas e braços e tudo, tudo dentro dos níveis de conforto dos clientes. Aliás tudo é feito dentro desses parâmetros. Depois somos ligados à máquina através de uma ficha e começamos a receber os estímulos eléctricos directamente nos músculos, incluindo os mais internos e difíceis de estimular.

“O cérebro não consegue transmitir o mesmo número de impulsos aos músculos durante o exercício e a máquina faz isso artificialmente através dos impulsos eléctricos sincronizados, daí poder exercitar até 350 músculos em simultâneo”.

A intensidade dos impulsos é dada de acordo com a capacidade de cada pessoa. A sensação é semelhante à de um formigueiro, sendo perfeitamente indolor e seguro. “São mais perigosos os choques que se apanham por acidente nas tomadas eléctricas do que estes estímulos, porque vão directos ao músculo e têm um ponto de entrada e de saída”, explica Ricardo Fernandes, o outro P.T.

Tal como nos treinos convencionais, começa-se com o aquecimento e termina-se com os alongamentos e sai-se cansada, mas com energia, com o batimento cardíaco menos acelerado do que se tivesse feito um treino normal, mas com a sensação de que se treinou durante 90 minutos. Poderá parecer um contra-senso, mas é isso mesmo. Aliás, as vantagens sobre os treinos normais vão muito além da perda de peso mais acelerada e as outras já referidas. Também o risco de lesões especialmente nas costas é muito mais reduzido e existe protecção e reforço das articulações e tendões, melhora a postura, reduz as dores, mal-estar nas zonas lombares e costas, melhora a circulação sanguínea e a actividade cardiovascular. Também diminui o envelhecimento natural dos tecidos. No rol de vantagens descrito na informação do Rapid Fit & Well que agora chega a Portugal depois de ter feito sucesso em Espanha, Estados Unidos e norte da Europa, estão ainda o fortalecimento dos ossos prevenindo o aparecimento da osteoporose, melhorar o bem-estar mental, redução do stress e ansiedade e prevenir e melhorar síndromes de incontinência urinária.

Todos estes resultados são obtidos de forma sustentada no tempo através de programas específicos para cada pessoa e de acordo com as suas necessidades específicas, explica Ricardo Onofre, o director-geral do Rapid Fit & Well em Portugal.

Video demonstração

Depois de Lisboa, segue-se Cascais e Parque das Nações

O modelo de expansão da rede é o do franchising, estando previstas as aberturas de centros em Cascais e Parque das Nações. Existem quatro modelos de negócios: os Centre, Urban, Micro e Go. No primeiro, ideal para uma área de influência com mais de 50 mil habitantes, existem 4 equipamentos XBody, no segundo, para áreas com 25 mil a 50 mil habitantes existem duas máquinas, no modelo Micro, entre 10 mil e 25 mil habitantes existirá uma máquina. Na versão Go, no fundo um modelo portátil em que o PT se desloca às empresas, hotéis para fazer a sessão, é precisa uma máquina. No horizonte estão ainda previstos protocolos com clínicas de fisioterapia.

Este tipo de treino, que entre os seus adeptos tem o futebolista Benzema e o atleta Usain Bolt, é ideal tanto como complemento a quem já faz desporto como a quem não faz exercício algum e dispõe de pouco tempo para o fazer. Cada sessão demora invariavelmente 20 minutos. Os Personal Trainers têm formação própria, certificada pelo EMS Trainer Institute.

Pub