“Aveledados” pela Quinta da Aveleda

Author: Share:

Quando o grupo de imprensa partiu de Lisboa até Penafiel para visitar a Quinta da Aveleda, mal sonhava que o dia iria ser o que foi. A chegada ao destino foi próxima do almoço e depois de quilómetros de auto-estrada desengraçada, eis que se entra num local que faz lembrar as florestas encantadas, com edificações saídas de um conto, onde a qualquer momento, atrás de uma árvore centenária, poderia aparecer uma fada, um duende, ou um qualquer outro ente fantástico. Não é à toa que a Quinta da Aveleda foi distinguida este ano com o Certificado de Excelência do Trip Advisor e galardoada em 2011 com o prémio internacional de Best of Wine Tourism na categoria de Arquitectura, Parques e Jardins.

O grupo foi recebido por três elementos da família, da 4ª e 5ª geração, proprietária da Quinta da Aveleda e que têm a bênção de diariamente desfrutar dos 200 hectares de vinhas e 10 de área edificada, compostos por verdadeiras pérolas e lugares encantadores, que abrem um leque de possibilidades de visitas diferenciadas e personalizadas.

Para o grupo privilegiado que esteve na Quinta da Aveleda o programa idealizado foi realmente inesquecível, deixando uma verdadeira marca no coração de quem participou.

Coube a Chantal Guilhonato, responsável pelo projecto de Enoturismo da Aveleda, receber o grupo que tinha à sua espera um magnífico almoço com a apresentação dos produtos da casa, desde os sobejamente conhecidos vinhos AVELEDA aos mais saborosos queijos. A paisagem não podia ser melhor, um vinhedo a perder de vista cujo suave ondular embalava o olhar fazendo-nos partir em sonhos. Essa é uma das grandes virtudes destas visitas à Quinta da Aveleda.

Da parte da tarde foi tempo de conhecer em pormenor este local que tem o condão de deixar uma marca indelével no corpo. Fica-se “Aveledado”, afinal diz-se que o nome Aveleda teria na sua origem o de uma profetisa celta, as Velledas, que ali tinha a sua morada, por isso o “encantamento” da quinta existe desde a sua remota origem. Mas são muitos os motivos para nos sentirmos encantados. Desde logo o caminho emoldurado pelos velhos carvalhos que se estende até à Casa Romântica do século XIX, que poderia fazer parte de um romance de Jane Austen ou de Alexandre Herculano.

Mais adiante está o antigo portão da quinta que ostenta as armas da família. Este pórtico marca ainda o início de uma avenida onde camélias, rododendros, azáleas e sobreiros compõem a paisagem. Tudo ali transpira uma outra dimensão temporal. Parece que o bulício da vida moderna ficou lá fora. Ali só existe a comunhão com a natureza e até o casal de cisnes brancos que por ali passeia no lago, parece conspirar para o romantismo e a leveza que se vão entranhando na pele com a subtileza de um perfume.

Ali, no lago dos cisnes, os olhos fogem para uma das pequenas ilhas onde se encontra uma janela de estilo manuelino, a partir da qual D. João IV foi proclamado rei. No mesmo lago, noutra ilhota, está uma pequena casa de chá, estilo vitoriano, com elementos de decoração em faiança portuguesa.

Mas o programa do grupo não foi só uma visita guiada, onde também esteve presente Patrícia Fontes, directora de marketing da marca, para apreciar os elementos da natureza que fazem desta quinta um local idílico para conhecer. Antes houve tempo para visitar a velha adega, onde repousam as aguardentes Adega Velha, em cascos de carvalho, e na qual as teias de aranha e respectivas “proprietárias” protegem a madeira contra os insectos que ali se possam aventurar.

Também houve lugar para um passeio rural pela vinha que permitiu dar a conhecer “aos urbanos” a sensação de viajar de tractor. Este foi aliás o meio de transporte para outra surpresa que a Aveleda tinha preparado para o grupo, desta vez pela mão da Clínica Nuno Mendes, em Penafiel, parceira da Quinta para esta acção, demonstrando que uma visita à Quinta da Aveleda pode ser completamente personalizada, seja para um evento corporativo, grupo ou particular. As acções, criadas em conjunto com a Aveleda, são assim únicas, ficando os visados também “aveledados”.

A última surpresa aconteceu no meio das vinhas. Terapeutas da clínica Nuno Mendes esperavam o grupo para uma massagem exfoliante com grainhas de uva, sal e óleos essenciais, seguida de uma massagem hidratante. Este momento de relaxamento foi o zénite que transformou um ambiente perfeito, em algo ainda mais familiar e descontraído. Como se isso ainda fosse possível…

Pub

Informação relacionada