Os Últimos Sete Meses de Anne Frank

O extraordinário diário de Anne Frank tem vindo a comover milhares de leitores em todo o mundo, sendo um testemunho pungente e humano da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial. No entanto, sabe-se muito pouco da vida desta jovem após a sua captura, a 4 de agosto de 1944, e posterior envio para os campos de concentração. Como suportou ela a brutalidade do regime nazi? As respostas são-nos dadas, neste livro, pelas mulheres cujas vidas se cruzaram com Anne Frank em Westerbork, Auschwitz e Bergen-Belsen.

os-ultimos-sete-meses-de-anne-frank_1Ao realizar o documentário Os Últimos Sete Meses de Anne Frank, Willy Lindwer ficou impressionado com as entrevistas que realizou a seis mulheres que viveram e partilharam com Anne Frank os dias de horror nos campos de concentração nazis. Lindwer decidiu publicá-las integralmente, dando origem ao livro Os Últimos Sete Meses de Anne Frank.

Anne Frank tornou‑se um dos símbolos mais conhecidos dos judeus assassinados na Segunda Guerra Mundial. O seu diário, escrito entre 12 de junho de 1942 e 1 de agosto de 1944, enquanto estava escondida no «Anexo», foi publicado em mais de 50 países. Inspirou inúmeras adaptações para teatro, cinema e televisão. O Anexo, ele próprio, é agora um museu, atraindo centenas de milhares de visitantes de todo o mundo.

Era inevitável que a imagem que emergiu do diário fosse romantizada por um vasto público, especialmente pela geração nascida depois da guerra. Muitas dessas pessoas leram as histórias que Anne escreveu durante um dos períodos mais trágicos da nossa história. Anne tinha 13 anos nessa altura e 15 quando morreu.

A 1 de agosto de 1944, terca‑feira, Anne Frank escreveu a última carta no seu diário. A 4 de agosto, o SD (Sicherheitsdienst, Serviço de Inteligência Alemão] invadiu o Anexo, no n.º 263 da Prinsengracht. Todos os que lá estavam escondidos foram presos. Os escritos terminaram aqui. Ao longo dos anos, pouca atenção foi dada à vida de Anne depois de ser presa e deportada. Não se fez uma pesquisa detalhada e, nalguns casos, as escassas fontes existentes contradiziam‑se umas às outras. Assim, pouco se sabia sobre os sete últimos e fatais meses da sua vida, ou sobre como ela suportou o amargo sofrimento de Westerbork e Auschwitz‑Birkenau. Anne morreu de doença, fome e exaustão em Bergen‑Belsen, em março de 1945 — poucas semanas antes da libertação.

Estes relatos são necessários. O fascismo, o nazismo, a discriminação racial e o antissemitismo ainda existem — até a autenticidade do diário chegou a ser questionada. Por estas razões, muitas das testemunhas dispuseram‑ se a contar as suas histórias. Quiseram expor as feridas causadas pelos nazis e, talvez com isso, combater a injustiça onde quer que ela exista.

Recomendado para si

No dia mundial do Okapi visite o Jardim Zoológico No dia 18 de outubro comemora-se o Dia Mundial do Okapi e o Jardim Zoológico convida todos os amantes da Natureza a conhecerem melhor o mundo destes i...
La Toya Jackson em Lisboa para apresentar Forever King of Po... A irmã de Michael Jackson irá estar no Casino Estoril no dia 24 de outubro para apresentar o único espetáculo sobre o Rei da Pop apoiado pela família ...
Corrida Sempre Mulher regressa ao Parque das Nações, com Ton... Estão abertas as inscrições para mais uma edição da Corrida Sempre Mulher. O evento desportivo solidário que visa angariar fundos para a Associação Po...
BIC cria a primeira “Global Education Week” Membros da equipa BIC de mais de 40 países participaram em eventos de voluntariado para ajudar a melhorar as condições de aprendizagem dos estudantes ...
Scrabble celebra 70º aniversário O jogo de palavras mais famoso a nível global celebra 70 anos desde a sua criação. Os primeiros passos deste jogo foram tão difíceis como pontuar uma ...
Manteigas atrai amantes da fotografia de paisagem O Município de Manteigas, organiza nos próximos dias 27 e 28 de outubro, o V Festival de Fotografia de Paisagem - IMAGINATURE 2018, com entrada gratui...