Yoro, o desconcertante e elogiado primeiro romance de Marina Perezagua

Author: Share:
yoro-desconcertante-elogiado-primeiro-romance-marina-perezagua

yoro-desconcertante-elogiado-primeiro-romance-marina-perezagua_1Yoro, o desconcertante e elogiadíssimo primeiro romance de Marina Perezagua, autora de culto em Espanha, apresenta-se ao leitor através de um ângulo inovador: um testemunho epistolar de H., uma mulher que sobreviveu ao ataque norte-americano em Hiroxima, para o juiz que se prepara para a julgar.

Na carta, que ocupa todo o romance e funciona como revelação onírica do mundo interior de H. e da sua interação com a realidade, numa alegoria do mal e da esperança, a mulher defende a justeza dos seus atos através da memória da sua relação (complexa, dúbia) com Jim, um soldado americano, e da procura de ambos por Yoro, uma rapariga que este adotara no Japão durante a Segunda Guerra Mundial.

«Concluí que, se tivesse de escolher um nome para nós, escolheria “os que trazemos a bomba dentro de nós”, dado que a manhã em que um bombardeiro B-29 lançou o Little Boy em Hiroxima foi só o início da detonação. Noventa por cento de todo o mal que sofreríamos, nós, os sobreviventes, iria sendo doseado minuto a minuto, mês a mês, ano a ano, emprenhando-nos desse mal que, se fosse abortado, seria só para nos abortarmos com ele.»

Sobre a autora:
Marina Perezagua é uma escritora espanhola, nascida em Sevilha em 1978. Tem sido elogiada por leitores e críticos pela sua escrita extremamente visual e desconcertante, que a tornou uma voz única na literatura espanhola contemporânea. Tendo publicado inicialmente os livros de contos Criaturas abisales (2011) e Leche (2013), foi o seu primeiro romance, Yoro, de 2015, que a converteu numa figura consensual entre a crítica. Os seus contos foram publicados em diversas revistas literárias, como Electric Literature, Granta (espanhola e britânica) ou Maaboret (em hebraico).
É licenciada em História da Arte e doutorada em Filologia. Vive em Nova Iorque, onde ensina Espanhol na New York University e noutras instituições. É praticante de mergulho livre e, em 2015, percorreu a nado o Estreito de Gibraltar em menos de quatro horas.

Informação relacionada

Deixar um comentário