Alexandra Marguerita: Eu Li Ali junta ilustração com a poesia – Entrevista

Author: Share:

Alexandra Marguerita explica numa pequena entrevista como surgiu o livro infanto-juvenil “Eu li ali” onde as minhas ilustrações têm como objetivo guiar o leitor até um certo ponto, sendo a certo ponto, opção do leitor a escolha do caminho que quer que a história tome.

ShoppingSpirit News – Como é que surgiu esta ideia de juntar a ilustração com a poesia?

Alexandra Marguerita A ideia surgiu através da minha necessidade de criar algo visual em conjunção com palavras simples mas coloridas. Complementar e fazer mais fácil compreensão para os mais pequenos através de linhas espontâneas para mais facilmente darem asas à imaginação. Todos nós já fomos crianças e sabemos o quão “chata” e incompreensível a poesia pode ser, pode. O meu objetivo é fazer com que o conhecimento e leitura destes grandes autores da literatura portuguesa seja de cariz mais divertido e animado, puxando pelo feedback da pequenada.

ShoppingSpirit News – Qual foi o critério de escolha dos autores e, sobretudo, dos poemas, tendo em conta a idade dos leitores?

Alexandra Marguerita O critério de seleção dos autores e dos poemas é baseado no quão literal os poemas podem (ou não) ser. Tentei ter em conta até que ponto uma criança de 9 anos consegue perceber o que é o amor, a tristeza ou qualquer outra emoção por palavras vindas de tão ilustres poetas. Palavras difíceis usadas para descrever certos sentimentos, requerem uma demonstração mais física por serem complicadas e difíceis de entender, como por exemplo um beijinho ou um abraço em sinal de amor ou lágrimas em sinal de tristeza. Nós adultos sabemos que as coisas não funcionam bem assim no mundo real, mas a maior parte das crianças não. Por esta razão escolhi a Natureza como tema principal, sendo algo que nos rodeia a toda a hora, desde plantas, animais, sítios, estados do tempo, elementos naturais, etc.

ShoppingSpirit News – O livro acaba também por ser um objeto de atividades para as crianças e jovens. Foi propositada criar essa interação e porquê?

Alexandra Marguerita A interação foi completamente propositada. Lembro-me de que quando passei por essa idade, o que mais gostava era de demonstrar que conseguia completar tarefas direcionadas para a minha idade, como por exemplo fazer um desenho sobre o que li ou apontar a resposta. A interação é uma forma de fazer com que o interesse em algo tão educativo como ler seja como qualquer outra forma de entretenimento.

ShoppingSpirit News – No seu traço, que não é infantil, além das personagens Anima, que povoam todo o livro, também os olhos dos bonecos são duas ovais. Porque a escolha de ter faces sem expressão e sem boca?

Alexandra Marguerita Tenho a opinião de que todos nós somos influenciados, às vezes até mesmo inconscientemente, sobre tudo o que vemos ou ouvimos. À medida que crescemos, o nosso poder de escolha vai aumentando por várias razões como educação, interesses, etc. Ao não desenhar quaisquer expressão nestas personagens, dou esse poder de escolha ao leitor. O leitor pode escolher ou imaginar as emoções que a personagem está a sentir ou a pensar conforme o que leu. As minhas ilustrações guiam até um certo ponto, o resto é o leitor que opta o caminho que quer que a história leve.

ShoppingSpirit News – Será que as duas ovais são a alma dos bonecos, já que os Anima têm exatamente o mesmo tipo de ovais?

Alexandra Marguerita Não. Os Anima provêm da ideia da representação de tudo aquilo que não se vê, todos os nomes comuns abstratos. As personagens servem mais para simbolizar a presença humana e física nestes ambientes que criei completando os poemas.

ShoppingSpirit News – Qual tem sido o feedback até agora deste projeto e o que é que já tem programado ou pensado para o futuro?

Alexandra Marguerita O feedback tem sido fantástico! Aqueles que possuem a minha obra referem o facto de o livro ter sido ligado com Lisboa, um importante fator para o livro no meu ponto de vista. Dá mais um elemento lúdico ao livro em termos de espaço real. Neste momento estou a refletir na possibilidade de fazer uma segunda edição mas desta vez relativo à cidade do Porto, sendo uma cidade na ribalta no momento e com tanto para oferecer! Veremos.

Pub

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

17 + 9 =