A cozinha do futuro, um espaço multifuncional, super conectado e focado na saúde

Author: Share:

Um relatório realizado pelo Instituto Silestone destaca as tendências, que tanto clientes como especialistas preveem numa cozinha do futuro

A cozinha, além de se consolidar como o centro do lar, está destinada a converter-se num espaço destinado a outras utilizações. Na verdade, hoje em dia, é uma das áreas da casa ao qual as pessoas mais se dedicam e investem. Mas como será daqui a 25 anos? Irá mudar de cor segundo o nosso estado de espírito? Será um lugar “sagrado”? Ou um espaço para a criatividade?

A Cosentino, como empresa líder que concebe e antecipa superfícies inovadoras de alto valor agregado ao mundo da arquitetura e do desenho, quer investigar, com o projeto Global Kitchen, as chaves para a cozinha doméstica do futuro.

Segundo os especialistas consultados, é evidente que a cozinha irá recuperar o foco central que sempre ocupou numa casa, o calor do fogo que tem vindo a ser afastado pela tipologia das casas das classes mais altas (cheiros separados do resto da casa, acesso ao aquecimento central em todos os quartos, etc.) e também pelo estilo de vida da maioria das famílias atualmente.

Além disso, reforça a cozinha como um espaço de relação e lazer em família, podendo ser o mesmo um local de trabalho; e por isto vai integrar-se cada vez mais com o resto da habitação. Assim, será um espaço multiuso e espera-se o seu esquecimento como espaço independente. O seu design, que irá ter em conta não só o aspeto estético e funcional, mas também o valor emocional e ser um espaço de relaxe e bem-estar.

O boom tecnológico também passa pela cozinha. A conectividade e os eletrodomésticos inteligentes irão permitir, não só facilitar as tarefas de compra, cozinhar e lavar mas falar ao telefone, ou inclusive, ver televisão. Isto irá permitir que se profissionalize a cozinha doméstica, e facilitar o acesso a equipamentos que até agora só são possíveis de comprar na área da restauração, que haja uma extensão de conhecimentos e um interesse cada vez maior pela alimentação, a nutrição e o disfrutar de uma refeição. Em relação ao design da cozinha, serão tidos em conta valores como a eficiência e poupança energética, a flexibilidade e a sustentabilidade dos materiais – sem ter prejuízo quanto a sua durabilidade, segurança e higiene. Neste sentido, as bancadas serão multifuncionais, podendo cozinhar diretamente a partir da bancada, sem precisar de uma placa especifica para essa função.

Por tudo isto, a cozinha dentro de 25 anos será um espaço social e de saúde (impulsionado pela generalização de métodos de cozinha mais saudáveis, alimentos cultivados em casa ou de quilómetro zero), de relação com o resto dos habitantes da casa (espaço para socializar, trabalhar, etc.) e conexão com o ambiente (fazer compras online, interatuar com o exterior, etc.). Esta transformação transversal da cozinha vai requerer muito de profissionais de âmbitos como o design, a arquitetura e a decoração de interiores. Mas também de sociólogos, nutricionistas e especialistas do meio ambiente e energético.

O objetivo deste projeto é promover o espaço de reflexão multidisciplinar para analisar o efeito de globalização na cozinha e identificar como evolucionará este espaço nos próximos 25 anos, com o propósito final de estender este conhecimento ao setor da cozinha e da sociedade em geral.

A opinião dos profissionais de proteção e venda de cozinhas domésticas:

Uma pesquisa realizada a 842 profissionais de lojas de cozinha e casas de banho de oito países (Austrália, Brasil, Espanha, Estados Unidos, Itália, Portugal, Reino Unido e Suécia) complementa a informação Global Kitchen com a sua valorização sobre a evolução do espaço da cozinha no que diz respeito ao uso, design e equipamento, tanto pela sua cerâmica e contacto direto com o utilizador final como pela sua própria experiência e conhecimento do setor.

Segundo 87% dos casos, a cozinha vai ter cada vez mais uma maior relevância como zona de atividade e reunião de casa. De facto, 81% considera que formará um único espaço com um espaço de comer e um salão, e se utilizará, segundo 92,3% para reunir-se com a família, amigos, para trabalhar ou fazer deveres (60,9%) ou para navegar na Internet (62,4%).

A conexão da cozinha à Internet e dispositivos móveis (Tablet, telemóveis, computadores, wearables…) e os eletrodomésticos inteligentes destacam-se como as principais inovações tecnológicas a curto-medio prazo, por dentro de soluções sustentáveis, quer seja em economizar água e energia, como em gestão de resíduos. Na análise por países, observam-se, porém, diferenças na hora de selecionar a inovação mais destacada. Enquanto que na Austrália e no Brasil é dado um maior protagonismo a novas formas de cozinhar, em Itália ou no Reino Unidos, os protagonistas são os eletrodomésticos inteligentes. Por outro lado, em Espanha ou nos Estados Unidos, é a conectividade.

As bancadas do futuro permitirão cozinhar diretamente sobre a superfície, apesar de incorporar conetividade e atuar como painel de controlo. Outras tarefas que serão incorporadas são o cálculo do peso e as propriedades nutricionais dos alimentos, absorção de líquidos e autolimpeza.

O Instituto Silestone é uma plataforma de investigação internacional, impulsionada pelo Grupo Cosentino, para difundir o conhecimento em torno da cozinha.

Informação relacionada