Propensão para comprar atinge o valor máximo dos últimos 15 anos

O último resultado do estudo “Consumer Climate”, feito pela GfK, indica que os portugueses aumentaram, no último trimestre, a propensão para comprar, para valores que são um record só comparável a máximos de há 15 anos. Apesar de não haver um aumento nos níveis de confiança na expetativa sobre a economia portuguesa, verifica-se uma clara e forte vontade de comprar, o que, possivelmente irá refletir-se numa mais sólida procura interna.

Nesta informação da GfK, os portugueses não mantiveram a tendência de subida sobre a expectativa económica, em particular neste último trimestre. Assistimos até a uma ligeiríssima descida até aos 37,7 pontos, no final de setembro, se compararmos com o valor do 2º trimestre deste ano. No entanto é ainda assim uma subida de 19,9 pontos, comparando com igual período do ano passado.

Em relação à propensão para comprar, continuou a verificar-se uma tendência claramente positiva, já observada no segundo trimestre, mas agora com um máximo inédito de 13,0 pontos. Trata-se do nível mais elevado desde o final de 2001, com uma subida de 8,9 pontos face ao o segundo trimestre. E uma forte subida de 29,6 pontos em comparação com igual período do ano passado.

A Europa também com clima positivo. Sobre o consumidor europeu a GfK continua a reportar, para o terceiro trimestre, uma tendência positiva e de subida.

Em relação à opinião do consumidor europeu, mantém-se a tendência de subida no terceiro trimestre deste ano, terminando com 20,9 pontos. Trata-se de uma subida desde os 19,1 pontos verificados no final do segundo trimestre, alcançando agora um nível que ainda não tinha sido visto desde o final de 2007. Durante o último trimestre, o consumo privado demonstrou ser um pilar importante para a economia da EU, com diversos países a melhorarem ou a manterem a posição no indicador “Propensão para comprar”. Este facto combateu os resultados mais contraditórios de determinados países noutros indicadores, como a expectativa de rendimento a descer em França, Áustria e Alemanha, em comparação com o segundo trimestre de 2017.

(Fonte: GfK)

Recomendado para si

Grande Consumo em Portugal mais focado no preço do que na in... A inovação mais relevante introduzida no setor do Grande Consumo em Portugal poderia ter gerado, entre 2013 e 2016, um PIB adicional na economia portu...
Empresas portuguesas abaixo da média europeia na aplicação d... Acaba de ser apresentado o estudo "Inteligência Artificial na Europa", desenvolvido pela EY em nome da Microsoft, que revela que as empresas portugues...
Congresso GS1 Portugal discute impacto do digital nos negóci... A GS1 Portugal vai realizar o seu quarto Congresso nacional e abordar a “Indústria 4.0” e o papel do consumidor no centro das redes de valor colaborat...
Bens de Grande Consumo crescem em volume e preço Segundo o relatório Growth Reporter referente ao segundo trimestre de 2018, desenvolvido pela Nielsen, as vendas dos Bens de Grande Consumo apresentar...
Má saúde oral pode originar complicações cardíacas Desde dos nossos primórdios que se fala da influência da saúde oral em todo o corpo humano, e se, em 1900, desconfiava-se que determinadas patologias ...
Smartphone será a principal ferramenta de trabalho dos portu... 62,8% dos inquiridos idealizam ter um horário de trabalho flexível e gerido por si 56,5% acredita que o smartphone será a principal ferrament...