15 °C Lisbon, PT
2019-03-24

Os Últimos Sete Meses de Anne Frank

O extraordinário diário de Anne Frank tem vindo a comover milhares de leitores em todo o mundo, sendo um testemunho pungente e humano da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial. No entanto, sabe-se muito pouco da vida desta jovem após a sua captura, a 4 de agosto de 1944, e posterior envio para os campos de concentração. Como suportou ela a brutalidade do regime nazi? As respostas são-nos dadas, neste livro, pelas mulheres cujas vidas se cruzaram com Anne Frank em Westerbork, Auschwitz e Bergen-Belsen.

os-ultimos-sete-meses-de-anne-frank_1Ao realizar o documentário Os Últimos Sete Meses de Anne Frank, Willy Lindwer ficou impressionado com as entrevistas que realizou a seis mulheres que viveram e partilharam com Anne Frank os dias de horror nos campos de concentração nazis. Lindwer decidiu publicá-las integralmente, dando origem ao livro Os Últimos Sete Meses de Anne Frank.

Anne Frank tornou‑se um dos símbolos mais conhecidos dos judeus assassinados na Segunda Guerra Mundial. O seu diário, escrito entre 12 de junho de 1942 e 1 de agosto de 1944, enquanto estava escondida no «Anexo», foi publicado em mais de 50 países. Inspirou inúmeras adaptações para teatro, cinema e televisão. O Anexo, ele próprio, é agora um museu, atraindo centenas de milhares de visitantes de todo o mundo.

Pub

Era inevitável que a imagem que emergiu do diário fosse romantizada por um vasto público, especialmente pela geração nascida depois da guerra. Muitas dessas pessoas leram as histórias que Anne escreveu durante um dos períodos mais trágicos da nossa história. Anne tinha 13 anos nessa altura e 15 quando morreu.

A 1 de agosto de 1944, terca‑feira, Anne Frank escreveu a última carta no seu diário. A 4 de agosto, o SD (Sicherheitsdienst, Serviço de Inteligência Alemão] invadiu o Anexo, no n.º 263 da Prinsengracht. Todos os que lá estavam escondidos foram presos. Os escritos terminaram aqui. Ao longo dos anos, pouca atenção foi dada à vida de Anne depois de ser presa e deportada. Não se fez uma pesquisa detalhada e, nalguns casos, as escassas fontes existentes contradiziam‑se umas às outras. Assim, pouco se sabia sobre os sete últimos e fatais meses da sua vida, ou sobre como ela suportou o amargo sofrimento de Westerbork e Auschwitz‑Birkenau. Anne morreu de doença, fome e exaustão em Bergen‑Belsen, em março de 1945 — poucas semanas antes da libertação.

Estes relatos são necessários. O fascismo, o nazismo, a discriminação racial e o antissemitismo ainda existem — até a autenticidade do diário chegou a ser questionada. Por estas razões, muitas das testemunhas dispuseram‑ se a contar as suas histórias. Quiseram expor as feridas causadas pelos nazis e, talvez com isso, combater a injustiça onde quer que ela exista.

Recomendado para si

Concurso de música “Mostra o que vales” – La Vie Por... No próximo dia 26 de Março arrancam as inscrições para a primeira edição do Concurso de Talentos organizado pelo La Vie Porto Baixa, numa parceria co...
Vais estar na Futurália? Este ano há uma app com toda a informação O futuro é cada vez mais digital e a Futurália também, e é por isso que a 12ª edição do maior evento de educação, formação e empregabilidade do país ...
D. Maria II com várias iniciativas grátis no Dia Mundial do Teatro Para assinalar o Dia Mundial do Teatro, que se comemora no próximo dia 27 de março, o Teatro Nacional D. Maria II apresenta vária...
Sustentabilidade, economia circular e saúde no Lisbon Coffee Fest O Lisbon Coffee Fest, que terá lugar no LX Factory de 22 a 24 de março, vai organizar várias palestras que vão abordar diferentes temas como sustenta...
Triton World Series estreia nos Açores O relógio não para e aproxima-se a passos largos aquele que é considerado o “maior e mais inovador circuito multisport” do mundo. Os Açores são ...
Ateliers “Cartão & Imaginação” até 31 de Março no For... O Forum Algarve, centro gerido pela Multi Portugal, prepara-se para surpreender os mais novos com um ciclo de workshops gratuitos. Os ateliers "Cartão...