Luis Onofre apresenta coleção FW16

O inverno de Luis Onofre sobrepõe os opostos para criar o todo. A singularidade de cada sapato nasce da oposição entre os seus elementos. Formas, cores e texturas intensificam cada detalhe, numa justaposição em que o contraste corrobora a identidade. É na dualidade de cada coração selvagem que nasce a eternidade.

Em busca do conforto casual que esperamos do inverno, os saltos perderam altura e alargaram em formato mas ganharam elegância com a metalização e novas geometrias com o efeito facetado do diamante. A joalharia clássica portuguesa fundeHse com a sapataria, para homenagear o Coração de Viana, enquanto ornamento emocional e selo de uma tradição que transforma um sapato em jóia.

A sobriedade do inverno surge em insinuantes nuances de cinza, que nesta estação substituem o clássico castanho e acompanham o predomínio do preto. No jogo de contrastes entre escuro e claro, surgem ainda o verde bosque, o burgundi, o mel e o rosa claro.

O conforto da camurça predomina ao croco e vison. Mas é na estruturação das peles que a coleção ganha textura e identidade. Aplicações metálicas em ouro e níquel preto sofisticam e desafiam o brilho dos Swarovski que quase transformam sandálias em vestidos de gala, numa renovada continuidade geométrica que recupera o modelo Zaragoza da coleção anterior.

Artigos relacionados