10 °C Lisbon, PT
2019-01-17

23% dos portugueses fazem refeições fora de casa pelo menos uma vez por semana

Segundo o relatório Global Out-of-Home Dining Survey, recentemente desenvolvido pela Nielsen, 23% dos portugueses fazem refeições fora de casa pelo menos uma vez por semana e 15% recorrem ao take away/entregas ao domicílio com a mesma frequência, correspondendo estes resultados exatamente aos da média europeia.

Segundo Jorge Macôr de Brito, Retailer Services Associate Manager da Nielsen, “os portugueses têm se mostrado disponíveis para este tipo de atividades: o relatório internacional ‘Estudo Global de Confiança dos Consumidores’ (Q2 2016) diz-nos que, caso lhes sobre algum dinheiro após as despesas habituais, 22% dos consumidores portugueses mostram-se disponíveis para o gastar em entretenimento fora do lar”.

A média mundial indica que cerca de metade da população opta por fazer uma refeição fora de casa pelo menos uma vez por semana, revelando que os consumidores das regiões Ásia-Pacífico e América do Norte são especialmente adeptos deste tipo de refeições.

Pub

No que diz respeito ao tipo de refeições praticadas fora de casa, os portugueses, em conformidade com a média europeia, preferem o jantar (68%). Esta “é uma óptima notícia para Portugal, uma vez que o ticket médio de jantar é superior ao de almoço”, segundo Jorge Macôr de Brito.

Países como a Estónia, Eslováquia, Eslovénia, França, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia, República Checa e Rússia optam com maior frequência por almoçar fora de casa. O almoço e o jantar são, comparativamente ao pequeno-almoço, as refeições mais escolhidas a nível global para fazer fora de casa.

Nos últimos 6 meses, os portugueses optaram essencialmente por restaurantes casuais (63%), restaurantes de refeições rápidas/fast-food (58%), cafés (41%) e restaurantes formais (33%), seguindo a tendência da média europeia.

A existência de preços razoáveis é o fator que os consumidores portugueses mais consideram na escolha de um restaurante ou outro estabelecimento de refeições (68%), seguindo-se a qualidade (43%) e o serviço (23%). Estas características também são valorizadas pela média dos consumidores europeus, embora em escalas mais reduzidas (60%, 36% e 17%, respetivamente).

“Também na restauração a realidade digital é sinónimo de modernização e aproximação com os clientes. Na realidade, existem atualmente sites em que os consumidores podem consultar os fatores anteriormente referidos para a tomada de decisão, sendo por isso importante, cada vez mais, a referenciação dos restaurantes nesses ‘locais’. Por outro lado, o acompanhamento online das opiniões dos clientes é já uma ferramenta de gestão muito importante nomeadamente no que concerne a ameaças com o serviço, a qualidade, etc.”, diz Jorge Macôr de Brito.

Recomendado para si

Iguarias e Vinhos do Tejo à prova em 58 restaurantes durante o mês de ... A comida e o legado báquico são indissociáveis à boa mesa portuguesa! Com esse pressuposto, a Comissão Vitivinícola Regional do Tejo e a Confraria Enó...
Evel branco 2017 no Top 100 Best Values da Wine Spectator Há quem diga “não há duas sem três”. Nós acrescentamos: “não há três sem quatro!” Afinal, é o quarto ano consecutivo em que a prestigiada revista nort...
Sabor do Ano 2019 distingue mais de 120 produtos A edição de 2019 do prémio SABOR DO ANO premeia 121 produtos em mais de 63 categorias – um número recorde para a edição portuguesa. No total, são cerc...
Vila Galé aposta na gastronomia portuguesa Com o objetivo de divulgar os sabores portugueses, a Vila Galé volta a promover a iniciativa gastronómica 12 Meses, 12 Pratos, 12 Euros. Assim, todos ...
Delta Cafés entra no mercado de barras de cereais Respondendo a estas necessidade dos consumidores, chega agora ao mercado a nova aposta da Delta Cafés – Croffee, uma barra de cereais saudável, sacian...
Imperial lança edição solidária da tablete Pantagruel 70% cacau A Imperial prepara-se para lançar, no primeiro trimestre de 2019, uma campanha solidária a favor da Associação Bagos D’Ouro. O maior produtor nacional...