17 °C Lisbon, PT
2019-03-22

Os espiões, os códigos e as guerrilhas (1939-1945) explicados por Max Hastings

os-espioes-os-codigos-as-guerrilhas-1939-1945-explicados-max-hastings_1Os espiões, os códigos e as guerrilhas tiveram um papel central na Segunda Guerra Mundial. Foram usados por todas as nações para obter informação secreta sobre os seus inimigos e antecipar movimentações, tendo influenciado decisivamente o conflito.

Em A Guerra Secreta, Max Hastings, historiador especialista neste período e autor dos aclamados Catástrofe e Inferno, apresenta as mais extraordinárias sagas de informação e resistência, avaliando os verdadeiros triunfos dos espiões e dos decifradores de códigos e corrigindo mitos e falsas histórias, naquela que é uma nova perspetiva acerca do maior conflito de sempre.

Hastings explora não só Alan Turing e os génios da encriptação de Bletchley Park, mas também os seus homólogos alemães, que obtiveram os seus próprios triunfos contra os Aliados. O livro mapeia as extraordinárias redes de espionagem da União Soviética, dos Estados Unidos, do Japão e da Grã-Bretanha e tenta compreender porque Stalin rejeitava tão frequentemente a informação recolhida pelos seus agentes desde o coração da máquina de guerra do Eixo.

Pub

Relacionando momentos fulcrais de batalhas no ar, em terra e no mar com o trabalho dos que, a partir dos seus países, combatiam a tecnologia do inimigo, Hastings desvenda os documentos mais preciosos e os momentos-chave nesta guerra secreta, que garantiram que nenhuma nação desse por mal empregues as vidas e recursos gastos em busca de informação privilegiada.

Sobre Max Hastings

Sir Max Hastings é autor de 25 livros, muitos deles sobre guerra. Frequentou o University College, em Oxford, que abandonou ao fim de um ano para se dedicar ao jornalismo. Passou muitos dos seus primeiros anos de jornalista como correspondente da BBC e de diversos jornais, tendo estado em 64 países e acompanhado 11 conflitos militares, entre os quais a guerra Israelo-Árabe de 1973, a Guerra do Vietname e a Guerra das Malvinas.

Entre 1986 e 2002, foi chefe da redação do Daily Telegraph e depois diretor do Evening Standard. Recebeu diversos prémios pela sua carreira literária e jornalística, incluindo, em 2012, o prémio da Pritzker Military Library e a Medalha do Duque de Westminster para a Literatura Militar pelo seu livro Inferno: O Mundo em Guerra. Tem dois filhos e vive com a mulher, Penny, numa zona rural do sul da Inglaterra, onde ambos praticam com entusiasmo a jardinagem.

Recomendado para si

Concurso de música “Mostra o que vales” – La Vie Por... No próximo dia 26 de Março arrancam as inscrições para a primeira edição do Concurso de Talentos organizado pelo La Vie Porto Baixa, numa parceria co...
Vais estar na Futurália? Este ano há uma app com toda a informação O futuro é cada vez mais digital e a Futurália também, e é por isso que a 12ª edição do maior evento de educação, formação e empregabilidade do país ...
D. Maria II com várias iniciativas grátis no Dia Mundial do Teatro Para assinalar o Dia Mundial do Teatro, que se comemora no próximo dia 27 de março, o Teatro Nacional D. Maria II apresenta vária...
Sustentabilidade, economia circular e saúde no Lisbon Coffee Fest O Lisbon Coffee Fest, que terá lugar no LX Factory de 22 a 24 de março, vai organizar várias palestras que vão abordar diferentes temas como sustenta...
Triton World Series estreia nos Açores O relógio não para e aproxima-se a passos largos aquele que é considerado o “maior e mais inovador circuito multisport” do mundo. Os Açores são ...
Ateliers “Cartão & Imaginação” até 31 de Março no For... O Forum Algarve, centro gerido pela Multi Portugal, prepara-se para surpreender os mais novos com um ciclo de workshops gratuitos. Os ateliers "Cartão...