Oceanário de Lisboa financia projeto de conservação na Amazónia brasileira

O Oceanário de Lisboa apoia financeiramente um projeto de conservação, na região de Barcelos, no Rio Negro (Amazónia, Brasil), cuja missão é promover a sustentabilidade ambiental e social na captura e comercialização de peixes ornamentais. O projeto PIABA ao promover esta atividade contribui para a conservação das florestas tropicais da Amazónia, através dos seus habitantes, incluindo um grande número de tribos.

Os Piaberos, povo ribeirinho da região que se dedica à pesca artesanal de peixes ornamentais ao longo do Rio Negro, capturam os peixes à mão, com calma e delicadeza. Os peixes não desejados são libertados imediatamente no seu habitat natural. Para 80% da comunidade do município de Barcelos, o comércio de peixes ornamentais é a principal fonte de subsistência. Esta atividade gera, anualmente, cerca de 4 a 5 milhões de dólares para a economia local o que representa 60% do rendimento deste município.

Através da exposição temporária “Florestas Submersas by Takashi Amano”, o Oceanário pretende sensibilizar para a importância da conservação dos ecossistemas tropicais, e com o financiamento a este projeto possibilita a formação e treino das comunidades locais, gerando benefícios e uma cultura de boas-práticas ambientais diversas.

“Financiamos pelo segundo ano consecutivo o Projeto PIABA, porque acreditamos no trabalho que realizam junto das comunidades ribeirinhas mas também de todos os atores envolvidos nesta atividade. Há 25 anos que trabalham para direcionarem a comunidade para práticas sustentáveis de pesca, afastando-as de atividades com grande impacto para a floresta tropical, como a agricultura ou exploração de madeira. É importante ressalvar que os peixes ornamentais capturados nesta região são os primeiros a obter a certificação de “Indicação Geográfica Protegida”, garantindo a origem e método de captura, a quem os adquire.” refere a Curadora do Oceanário, Núria Baylina.

O Oceanário de Lisboa partilha da visão de que a conservação do património natural é uma responsabilidade de todos.

Os ecossistemas aquáticos são dos maiores ativos que o Homem tem e é fundamental assegurar, através de financiamento e de apoio ao conhecimento científico, a sua integridade no presente e futuro.

Recomendado para si

Vencedor do Prémio de Literatura Infantil Pingo Doce chega a 17 às loj... O Pingo Doce apresenta amanhã o livro "O Narciso com Pelos no Nariz, vencedor da 5ª edição do Prémio de Literatura Infantil Pingo Doce, cuja autoria p...
“A Terapia da Luz” de Karl Ryberg Preocupadas em absorver os nutrientes certos, em dormir as horas necessárias e em cumprir prazos, a grande maioria das pessoas tem deixado cair no esq...
LEGO Fun Factory do MAR Shopping Matosinhos O mundo mágico de Harry Potter vai conquistar as crianças que visitem a LEGO Fun Factory do MAR Shopping Matosinhos entre novembro de 2018 e janeiro d...
«Literatura Tradicional Portuguesa», uma antologia de José Viale Mouti... Depois de O Livro Português das Fábulas, José Viale Moutinho traz-nos agora Literatura Tradicional Portuguesa, uma riquíssima obra ilustrada que reúne...
Viagem mágica no Parque Encantado do LoureShopping É já dia 1 de dezembro que o Natal chega ao Parque Verde do LoureShopping num verdadeiro espetáculo de luz e cor, com mais de 15 mil metros quadrados ...
“De Pequenino se cria um Nicolino” no GuimarãeShopping É já a partir do dia 15 de novembro que GuimarãeShopping promove uma venda solidária de Nicolinos. “De Pequenino se cria um Nicolino” é uma iniciativa...