“O Que não É Teu não É Teu”, os contos de Helen Oyeyemi

nao-nao-os-contos-helen-oyeyemi_1Nove contos, nove histórias, nove chaves. A chave para uma casa, a chave para um coração, a chave para um segredo — chaves, literais e metafóricas, que não se limitam a abrir momentos das vidas das suas personagens. São chaves, também, a prometer difíceis labirintos que se abrem nos mais inesperados quotidianos.

O Que não É Teu não É Teu marca a estreia da escritora nigeriana e inglesa Helen Oyeyemi no conto, depois de cinco romances muito bem recebidos. E as suas histórias lembram contos de fadas, lições de História, mitos e lendas. Vivem de uma multiplicidade de tempos e paisagens, fazendo com que as fronteiras de realidades coexistentes se toquem. Transformam ladras em heroínas, homens moribundos em pais. Criam bibliotecas de rosas e jardins de livros. Chaves que são portas, oferendas, convites à descoberta de um universo onde a beleza poderá, talvez, existir.

Conteúdo patrocinado

O volume abre com o conto «Livros e rosas», em que a protagonista dá lugar a outra protagonista, descentrando a narrativa. Em «Pedir desculpa não lhe adoça o chá», os comentários de um vídeo do YouTube unem as pontas soltas de uma família em mutação. O conto «O teu sangue é assim tão vermelho?» divide-se em duas faces, a que responde afirmativamente à pergunta e a que a nega. Em «Afogamentos», afirma-se a dúvida: “Isto aconteceu e não aconteceu”, lê-se na primeira linha.

«Presença» fala de implosões de memórias e de passados simulados. «Uma breve história da sociedade das jovens feias» passa-se em Cambridge, onde um grupo de alunas se dedica a “melhorar” as bibliotecas dos clubes masculinos, substituindo livros escritos por homens por obras assinadas por mulheres. «Dornička e a pata do dia de S. Martinho» é uma fábula com muitas entrelinhas. E em «Freddy Barrandov faz o… check-in» um filho que se reconhece incapaz de qualquer feito descobre finalmente o seu maior desejo. A fechar, o conto «Se um livro está fechado à chave, deve haver uma boa razão para isso, não achas?», sobre a amizade e os limites do conhecimento.

«Mas, sempre que entro naquela maldita casa, corro o risco de sair de lá doido. Por causa das portas. Nem sequer se mantêm fechadas, se não estiverem trancadas à chave. E, depois de as fecharmos, ouvimos sons vindos detrás delas; sons que convencem uma pessoa de que deixou alguém encarcerado lá dentro. Mas, quando não fechamos as portas à chave, elas ficam meio abertas, permitindo-nos olhar para a divisão seguinte, dando-nos a ideia de que está alguém a segurá-las de propósito.»

Helen Oyeyemi é uma das grandes revelações da literatura africana e inglesa dos últimos anos. Nascida em Ibadan, na Nigéria, em 1984, cresceu no sul de Londres, para onde os seus pais se mudaram. Como a também nigerianaChimamanda Ngozi Adichie, sempre viveu entre dois mundos, o das suas raízes e o da sua formação académica e literária. Os livros que escreve, as histórias que inventa, os universos que convoca espelham essa pluralidade.

O talento literário de Oyeyemi deu-se a conhecer cedo. O primeiro romance, The Icarus Girl, foi escrito quando ainda frequentava o ensino secundário. Publicou-o em 2005, aos 21 anos, dando início a um percurso fulgurante. Assinou duas peças (Juniper’s Whitening e Victimese) que, levadas à cena pelo grupo de teatro do Corpus Christi College de Oxford, onde cursou Ciências Sociais e Políticas, rapidamente chamaram à atenção da crítica especializada.

A The Icarus Girl, já traduzido em 16 idiomas, seguiram-se os romances The Opposite House (2007), White Is for Witching (2009), Mr Fox (2011) e Boy, Snow, Bird (2011). Distinguida, em 2010, com o Prémio Somerset Maugham e, no ano seguinte, com o The Hurston/Wright Legacy, foi considerada, em 2013, pela revista Granta, uma das melhores jovens escritoras inglesas.

Helen Oyeyemi é uma das muitas apostas fortes da Elsinore, que em 2017 publicará o romance Boy, Snow, Bird.

Recomendado para si

Vencedor do Prémio de Literatura Infantil Pingo Doce chega a 17 às loj... O Pingo Doce apresenta amanhã o livro "O Narciso com Pelos no Nariz, vencedor da 5ª edição do Prémio de Literatura Infantil Pingo Doce, cuja autoria p...
“A Terapia da Luz” de Karl Ryberg Preocupadas em absorver os nutrientes certos, em dormir as horas necessárias e em cumprir prazos, a grande maioria das pessoas tem deixado cair no esq...
LEGO Fun Factory do MAR Shopping Matosinhos O mundo mágico de Harry Potter vai conquistar as crianças que visitem a LEGO Fun Factory do MAR Shopping Matosinhos entre novembro de 2018 e janeiro d...
«Literatura Tradicional Portuguesa», uma antologia de José Viale Mouti... Depois de O Livro Português das Fábulas, José Viale Moutinho traz-nos agora Literatura Tradicional Portuguesa, uma riquíssima obra ilustrada que reúne...
Viagem mágica no Parque Encantado do LoureShopping É já dia 1 de dezembro que o Natal chega ao Parque Verde do LoureShopping num verdadeiro espetáculo de luz e cor, com mais de 15 mil metros quadrados ...
“De Pequenino se cria um Nicolino” no GuimarãeShopping É já a partir do dia 15 de novembro que GuimarãeShopping promove uma venda solidária de Nicolinos. “De Pequenino se cria um Nicolino” é uma iniciativa...