16 °C Lisbon, PT
2018-11-20

São cada vez mais os portugueses que tencionam oferecer presentes a si próprios

Mais de um terço dos portugueses tencionam realizar uma compra importante para si próprio este Natal. Lazer, viagens e smartphones estão no topo das preferências. Estas são algumas das conclusões do mais recente estudo Observador Cetelem, que analisou as intenções de consumo para a época natalícia.

O mais recente estudo do Observador Cetelem revela que, no total, a intenção de comprar presentes para o próprio tem vindo a aumentar gradualmente ao longo dos últimos anos: de 26% em 2013 passa para 29% em 2014 e para 29% em 2015, situando-se atualmente nos 35%, um valor que representa mais de um terço dos portugueses.

Conteúdo patrocinado

Quanto às preferências, os consumidores apontam as viagens e as atividades de lazer como os presentes que mais pensam adquirir para si próprios (11%). Em segundo lugar está a categoria telemóveis/smartphones (10%).

A compra de eletrodomésticos e mobiliário para o próprio, que em 2015 ocupava a 6ª posição na lista (3% em ambos os casos), passa este ano para a 3ª posição (5% em ambos os casos). Seguem-se os computadores pessoais (4%), os automóveis (4%) e os artigos de desporto (4%).

Este ano, apenas 2% dos consumidores planeiam comprar tablets para si próprios, uma descida significativa em relação ao ano passado (7%). Entre os produtos que os portugueses menos têm intenções de oferecer a si próprios estão os bens imobiliários (1%), os produtos de bricolagem/jardinagem (1%) e as motos/scooters (0,2%).

São os indivíduos entre os 25 e os 34 aos (21%) que mais pretendem oferecer a si próprios artigos de lazer/viagens. Esta categoria também lidera nas restantes faixas etárias, com exceção dos consumidores entre os 18 e os 24 anos, que preferem telemóveis/smartphones (24%), e dos consumidores entre os 55 e os 65 anos, que preferem eletrodomésticos (7%).

Embora por uma escassa diferença, as mulheres mostram-se mais inclinadas a comprar telemóveis/smartphones do que lazer/viagens (12% e 10%, respetivamente), enquanto nos homens se verifica a situação inversa (11% quer comprar artigos de lazer/viagens e 8% preferem os telemóveis/smartphones).

Este estudo foi desenvolvido em colaboração com a Nielsen, tendo sido realizados 600 inquéritos por telefone, a indivíduos de Portugal continental, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos, entre os dias 26 e 28 de setembro de 2016. O erro máximo é de +4.0 para um intervalo de confiança de 95%.

Recomendado para si

34% dos portugueses sabem o valor exato das suas despesas fixas mensai... No que diz respeito às despesas mensais, 34% dos consumidores sabem exatamente quanto gastam com os seus encargos fixos por mês, uma percentagem super...
Portugueses cada vez mais adeptos das novas formas de pagamento As novas formas de pagamento são usadas por cada vez mais portugueses, sobretudo jovens adultos. Segundo o estudo de Literacia Financeira do Cetelem, ...
Portugueses recorrem à família e ao banco em caso de dificuldades fina... Confrontados com a necessidade de pedir um empréstimo para enfrentar dificuldades financeiras, os portugueses optam por recorrer à família (45%) ou ao...
Dia do Consumidor: 8% dos portugueses acreditam não ter direito a recl... Questionados sobre outros aspetos dos direitos e deveres dos consumidores, menos de um décimo dos portugueses respondeu corretamente a questões relaci...
Preço do combustível não influencia a utilização do carro pelos portug... A evolução do preço do petróleo não tem consequências na utilização que 57% dos portugueses fazem do automóvel. Ainda que 43% dos condutores nacionais...
Mercado automóvel português é o que mais deve crescer em 2017 De uma forma global, o mercado automóvel apresenta um bom comportamento. Entre 2009 e 2015, o mercado mundial de automóveis particulares e de veículos...