23% dos portugueses esperam pelos saldos para comprar os presentes

O Natal já ficou para trás, mas quase um quarto dos portugueses terão esperado pela época de saldos para comprar alguns dos últimos presentes, conclui o mais recente estudo do Observador Cetelem, que analisou o consumo e as intenções de compra para a quadra natalícia. Este ano, 23% dos consumidores preferem aproveitar os preços mais vantajosos praticados nas promoções após o Natal, uma percentagem ligeiramente superior à de 2015 (20%), mas aquém da registada em 2013 (33%), a mais alta dos últimos seis anos.

Para a maioria dos consumidores (70%), esperar pelos saldos posteriores ao Natal não terá sido uma opção, tendo preferido comprar todos os presentes antecipadamente. Há, no entanto, 7% dos inquiridos que ainda não sabem se vão recorrer à época de saldos para realizar algumas compras finais.

São as mulheres que mais aproveitam os preços baixos praticados nos saldos, com 28% das consumidoras a referirem que deixam algumas compras de Natal para esta altura. Já os consumidores masculinos seguem menos esta tendência (18%). Em termos etários, são as gerações dos 18 aos 24 e dos 25 aos 34 anos (27%, em ambos os casos) que mais aguardam pela época de saldos para comprar os últimos presentes.

«Voltámos a verificar, este ano, que as pessoas entre os 45 e os 55 anos têm vindo a perder interesse em esperar pela época de saldos. Até 2013, a sua intenção de guardar algumas compras para este período era das mais elevadas entre todas as faixas etárias, mas essa tendência parece ter desaparecido e, a partir de 2014, são as gerações de jovens e de jovens adultos que mais aproveitam os preços baixos das promoções», conclui Pedro Camarinha, diretor de distribuição do Cetelem.

Ao nível regional, é no sul que existem mais consumidores a esperar pelos saldos que se seguem ao Natal (30%), bastante mais do que no norte (22%) e no centro (20%). No que diz respeito aos grandes centros urbanos, é Lisboa que mais adere a esta prática (27%), comparativamente com o Porto (19%).

Este estudo foi desenvolvido em colaboração com a Nielsen, tendo sido realizados 600 inquéritos por telefone, a indivíduos de Portugal continental, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos, entre os dias 26 e 28 de setembro de 2016. O erro máximo é de +4.0 para um intervalo de confiança de 95%.

Recomendado para si

34% dos portugueses sabem o valor exato das suas despesas fi... No que diz respeito às despesas mensais, 34% dos consumidores sabem exatamente quanto gastam com os seus encargos fixos por mês, uma percentagem super...
Portugueses cada vez mais adeptos das novas formas de pagame... As novas formas de pagamento são usadas por cada vez mais portugueses, sobretudo jovens adultos. Segundo o estudo de Literacia Financeira do Cetelem, ...
Portugueses recorrem à família e ao banco em caso de dificul... Confrontados com a necessidade de pedir um empréstimo para enfrentar dificuldades financeiras, os portugueses optam por recorrer à família (45%) ou ao...
Dia do Consumidor: 8% dos portugueses acreditam não ter dire... Questionados sobre outros aspetos dos direitos e deveres dos consumidores, menos de um décimo dos portugueses respondeu corretamente a questões relaci...
Preço do combustível não influencia a utilização do carro pe... A evolução do preço do petróleo não tem consequências na utilização que 57% dos portugueses fazem do automóvel. Ainda que 43% dos condutores nacionais...
Mercado automóvel português é o que mais deve crescer em 201... De uma forma global, o mercado automóvel apresenta um bom comportamento. Entre 2009 e 2015, o mercado mundial de automóveis particulares e de veículos...