Portugueses dão nota acima da média aos veículos híbridos e 100% elétricos

Em Portugal, a quota de mercado dos veículos 100% elétricos já chega aos 0,7%, um valor bastante próximo de França (1%), país que se destaca na venda deste tipo de viaturas. No caso dos veículos híbridos, a quota de mercado em Portugal é de 1,3%. Estes valores vão ao encontro da opinião positiva que os portugueses têm destes dois tipos de motorização – híbridos (7.4/10) e 100% elétricos (7.1/10) – aos quais atribuem uma nota superior à média dos 15 países analisados no mais recente estudo do Observador Cetelem.

Ainda assim, são os veículos com motor a diesel que reúnem a nota mais alta atribuída pelos automobilistas portugueses (7.8/10), um valor bastante superior ao da média dos 15 países que fazem parte do estudo (6.6/10).

De acordo com o estudo, a questão da autonomia e as limitações das infraestruturas de carregamento são um dos principais motivos que impedem os modelos elétricos de ultrapassarem completamente as energias tradicionais (gasóleo e gasolina).

Para os portugueses, os veículos a gasolina ocupam a quinta posição (6.3/10), atrás dos veículos movidos a biocombustível e flex-fuel (6.4/10), evidenciando como os condutores nacionais têm uma pior opinião dos automóveis a gasolina do que os restantes quinze países analisados (6.6/10). Por fim, posicionam-se os veículos a gás (GLP/GNV), aos quais os portugueses atribuem a classificação mais baixa (6.2/10).

«As preferências em relação aos tipos de motorização amigos do ambiente já se começam a manifestar no crescimento das quotas de mercado dos veículos total ou parcialmente elétricos e tudo indica que estão a influenciar o futuro do parque automóvel nacional. Surge aqui uma dupla vantagem: por um lado, a poupança no consumo, muito importante para os consumidores, por outro, os benefícios ambientais», comenta Pedro Ferreira, diretor da área automóvel do Cetelem.

As análises e previsões deste estudo foram realizadas em colaboração com a empresa de estudos e consultoria BIPE (www.bipe.com). Os inquéritos quantitativos aos consumidores foram conduzidos pela TNS Sofres, em junho de 2016, em quinze países – África do Sul, Alemanha, Bélgica, Brasil, China, Espanha, Estados Unidos da América, França, Itália, Japão, México, Polónia, Portugal, Reino Unido e Turquia. No total, foram inquiridos mais de 8.500 proprietários de automóveis.

Recomendado para si

34% dos portugueses sabem o valor exato das suas despesas fixas mensai... No que diz respeito às despesas mensais, 34% dos consumidores sabem exatamente quanto gastam com os seus encargos fixos por mês, uma percentagem super...
Portugueses cada vez mais adeptos das novas formas de pagamento As novas formas de pagamento são usadas por cada vez mais portugueses, sobretudo jovens adultos. Segundo o estudo de Literacia Financeira do Cetelem, ...
Portugueses recorrem à família e ao banco em caso de dificuldades fina... Confrontados com a necessidade de pedir um empréstimo para enfrentar dificuldades financeiras, os portugueses optam por recorrer à família (45%) ou ao...
Dia do Consumidor: 8% dos portugueses acreditam não ter direito a recl... Questionados sobre outros aspetos dos direitos e deveres dos consumidores, menos de um décimo dos portugueses respondeu corretamente a questões relaci...
Preço do combustível não influencia a utilização do carro pelos portug... A evolução do preço do petróleo não tem consequências na utilização que 57% dos portugueses fazem do automóvel. Ainda que 43% dos condutores nacionais...
Mercado automóvel português é o que mais deve crescer em 2017 De uma forma global, o mercado automóvel apresenta um bom comportamento. Entre 2009 e 2015, o mercado mundial de automóveis particulares e de veículos...