13 °C Lisbon, PT
2018-11-21

«A vida seria trágica se não tivesse tanta piada» – Stephen Hawking

Stephen Hawking é um dos mais consagrados cientistas de sempre. O trabalho notável que tem desenvolvido ao longo dos anos na área da cosmologia contribuiu para uma melhor compreensão sobre o funcionamento dos buracos negros, tendo as suas teorias mudado a forma como vemos o Universo. Muitas das suas teses têm desafiado o mundo científico e, sobretudo, posto em causa a própria noção do tempo e a existência de um deus.

É o homem que foi dotado de uma mente extraordinária, ao mesmo tempo que foi traído pelo corpo. Na sua superação de inúmeras adversidades clínicas — poucos médicos imaginavam que chegaria aos 30 anos de idade, quanto mais aos 70 —, a sua história é simultaneamente trágica e heroica. A sua luta toca-nos as cordas sensíveis do coração, ao mesmo tempo que nos enche de esperança de que tudo é realmente possível. Na franqueza das suas próprias palavras, «ninguém consegue resistir à ideia de um génio inválido».

Conteúdo patrocinado

Pensar como Stephen Hawking pretende abordar o homem por detrás da ciência e além da celebridade. Embora tenha necessariamente de fazer referência à sua ciência nas páginas que aqui se seguem, o meu objetivo é antes explorar a sua personalidade, o modo como se dedicou à sua carreira e o que o motiva e inspira. Este é o mais recente livro da série Pensar como e, com cada novo volume, não consigo evitar sentir espanto face ao facto de estes indivíduos exibirem não apenas capacidades e traços de personalidade extraordinários que os distinguem dos outros, como também as fragilidades e as falhas de caráter que, em última análise, fazem com que sejam «como nós. – Daniel Smith

Sobre o autor

Daniel Smith é um autor de não-ficção e editor que tem escrito sobre política, economia e história social. É o autor de Pensar como Steve Jobs, Pensar como Einstein, Pensar como Churchill e de Pensar como Bill Gates. É também colaborador de longa data no The Statesman Yearbook, o guia geopolítico para o mundo, que celebrou o seu 150.º aniversário em 2013.