«O Velho e o Gato», de Nils Uddenberg

Depois de Um Homem e o Seu Cão, de Thomas Mann, Uma Velha e o Seu Gato e a história de dois cães, de Doris Lessing, e Bestiário de Kafka, de Franz Kafka, chega O Velho e o Gato, de Nils Uddenberg, o quarto livro da série Bichos, com o selo editorial da Bertrand Editora. É já dia 10 que esta obra chega às livrarias.

Nils Uddenberg, escritor premiado com formação em Psiquiatria, é um homem que nunca quis ter um animal doméstico, sendo surpreendido com a visita inesperada de uma gatinha no seu jardim. Por todos os meios tentou afugentá-la, tendo, inclusivamente, chamado a polícia na expetativa que a levassem, porém, pouco a pouco, o autor acaba por se render aos seus encantos. «A gata, contudo, como já veremos, é detentora de uma vontade de ferro, ou talvez seja melhor descrevê-la como sendo determinada, metódica e cautelosa. Nunca houve um confronto, mas a gata acabou por ter aquilo que queria. Foi assim que tudo começou», recorda o escritor sueco logo nas primeiras páginas do livro.

O Velho e o Gato é o relato real do autor sobre a relação que estabeleceu com a sua gata, a quem chamou de Bichana, e as novas dinâmicas familiares. Uma observação dos limites entre humanos e animais, mas também das infinitas possibilidades desta relação e dos sentimentos que são capazes de despertar nos seus donos. «Como pode uma criatura tão pequena, que nem sequer três quilos pesa, encher-me desta sensação de segurança? Sou tão mais forte do que ela, podia destruí-la a qualquer momento, enquanto ela não tem esse poder sobre mim. Será que é a confiança que me demonstra ter que tanto importa? Sinto-me benevolente e simpático, e ela aceita-o de bom grado. Os bebés, que são igualmente impotentes, despertam nos pais sentimentos idênticos a estes», descreve Nils Uddenberg.