16 °C Lisbon, PT
2019-03-21

Reino do Amanhã, de J. G. Ballard

Um homem armado abre fogo sobre os clientes do Metro-Centre, um gigantesco centro comercial nas imediações do aeroporto de Heathrow. Uma das vítimas é o pai de Richard Pearson, um executivo ligado à publicidade, recém-desempregado. O principal suspeito é libertado pouco tempo depois, sem qualquer acusação.

Richard, determinado a desvendar o mistério que envolve o caso, começa a ter fortes suspeitas de que algo muito maior e sinistro habita na aparentemente pacata cidade de Brooklands. Ao deparar-se com um mundo neofascista onde os motins são frequentes, as comunidades imigrantes são atacadas por hooligans e os acontecimentos desportivos se transformam em comícios políticos chauvinistas, Richard conhece a verdadeira cúpula do Metro-Centre, que, acima de toda a cidade, controla a população como se transformada no olho de um todo-poderoso deus urbano.

Com esta investida distópica e arrepiante – o seu último romance, inédito em Portugal –, J. G. Ballard força a sociedade moderna a olhar-se ao espelho, mostrando-lhe o rosto das forças mais perversas que atuam sob o brilho do consumismo e do patriotismo arreigado.

Pub

Sobre o autor:
J. G. Ballard, filho de pais ingleses, nasceu em 1930 em Xangai, na China, para onde o pai tinha ido trabalhar, e morreu em 2009. Na sequência do ataque a Pearl Harbor, ele e a família foram colocados num campo de prisioneiros civis. Regressou a Inglaterra com a mãe e os irmãos em 1946. Após dois anos em Cambridge, onde estudou Medicina sem concluir o curso, Ballard escreveu para publicidade e foi porteiro em Covent Garden, antes de partir para o Canadá como piloto da Força Aérea britânica. Começou a escrever contos na década de 1950 e estreou-se na ficção mais longa em 1962: The Drowned World é o primeiro romance de uma das mais sólidas carreiras da ficção contemporânea. Celebrizou-se pela sua autobiografia, Império do Sol (adaptada ao cinema por Steven Spielberg), mas é em romances como Crash (ed. Elsinore, 2016, igualmente adaptado ao cinema por David Cronenberg) e Arranha-Céus (ed. Elsinore, 2015) que se encontram os seus temas obsessivos: os efeitos psicológicos da cidade e da tecnologia na alienação do ser humano.

Recomendado para si

Concurso de música “Mostra o que vales” – La Vie Por... No próximo dia 26 de Março arrancam as inscrições para a primeira edição do Concurso de Talentos organizado pelo La Vie Porto Baixa, numa parceria co...
Vais estar na Futurália? Este ano há uma app com toda a informação O futuro é cada vez mais digital e a Futurália também, e é por isso que a 12ª edição do maior evento de educação, formação e empregabilidade do país ...
D. Maria II com várias iniciativas grátis no Dia Mundial do Teatro Para assinalar o Dia Mundial do Teatro, que se comemora no próximo dia 27 de março, o Teatro Nacional D. Maria II apresenta vária...
Sustentabilidade, economia circular e saúde no Lisbon Coffee Fest O Lisbon Coffee Fest, que terá lugar no LX Factory de 22 a 24 de março, vai organizar várias palestras que vão abordar diferentes temas como sustenta...
Triton World Series estreia nos Açores O relógio não para e aproxima-se a passos largos aquele que é considerado o “maior e mais inovador circuito multisport” do mundo. Os Açores são ...
Ateliers “Cartão & Imaginação” até 31 de Março no For... O Forum Algarve, centro gerido pela Multi Portugal, prepara-se para surpreender os mais novos com um ciclo de workshops gratuitos. Os ateliers "Cartão...