13 °C Lisbon, PT
2018-12-19

Detetives Selvagens em nova tradução

Narrativa trepidante, Detetives Selvagens, de Roberto Bolaño, é uma extraordinária máquina de contar histórias, atravessada tanto pela melancolia das ilusões desfeitas como pela violência de um humor iconoclasta e feroz. Esta nova tradução da obra-prima que o autor chileno publicou em vida (2666 é um livro póstumo), revela-nos fielmente a essência da sua escrita.

Publicado em 1998, o quinto romance de Bolaño divide-se em três partes autónomas, pelas quais circulam personagens rebeldes, em relatos descontínuos. O chileno Arturo Belano (alter ego de Bolaño) e o mexicano Ulisses Lima são os ‘detetives’ da trama: dois poetas que seguem as pistas deixadas pela misteriosa escritora mexicana, Cesárea Tinajero, desaparecida no deserto de Sonora. Este é um livro imenso, uma enciclopédia literária, cheia de ecos auto-biográficos, que reflecte a Cidade do México durante a segunda metade dos anos 70, quando Bolaño era um poeta vanguardista, fundador do movimento infrarrealista.

Romance caleidoscópico, disperso e fragmentário, Detetives Selvagens acolhe dezenas de personagens que atravessam a vida num permanente estado de migração e insatisfação, numa constante odisseia.

Há muito aguardada, esta nova tradução de Detetives Selvagens faz parte do destaque que a Quetzal Editores tem estado a dar ao autor ao longo de 2017 (o ano Bolaño).

Sobre o autor:

Roberto Bolaño nasceu em 1953, em Santiago do Chile. Aos 15 anos mudou-se com a família para a Cidade do México. Durante a adolescência leu vorazmente e escreveu poesia. Fundou com amigos o Infrarrealismo, um movimento literário punk-surrealista, que consistia na «provocação e no apelo às armas» contra o establishment das letras latino-americanas. Nos anos 70, Bolaño vagabundeou pela Europa, após o que se instalou em Espanha, na Costa Brava, com a mulher e os filhos. Aí, dedicou os últimos 10 anos da sua vida à escrita. Fê-lo febrilmente, com urgência, até à morte (em Barcelona, em julho de 2003), aos 50 anos. A sua herança literária é de uma grandeza ímpar, sendo considerado o mais importante escritor latinoamericano da sua geração – e da atualidade. Entre outros prémios, como o Rómulo Gallegos ou o Herralde, Roberto Bolaño já não pôde receber o prestigiado National Book Critics Circle Award, o da Fundación Lara, o Salambó, o Ciudad de Barcelona, o Santiago de Chile e o Altazor, todos atribuídos a 2666, unanimemente aclamado o maior fenómeno literário da última década.

Recomendado para si

Forum Montijo e Forum Sintra lançam cartão oferta para acertar no sapa... Para os indecisos nas compras, para os que não gostam de correrias, para os que não conhecem as preferências pessoais dos adolescentes da família, mas...
Alma Shopping celebra Natal com concerto de Coro Infantil Como o Natal do Alma Shopping é este ano dedicado à música, na sexta-feira, dia 21 de dezembro, o Coro Infanto-Juvenil de São Caetano vai celebrar est...
Mercadão entrega brinquedos Science4you em 2 horas A Science4you e o Mercadão querem ajudar com os presentes de natal de última hora, pelo que nos próximos dias 19 e 20 de dezembro pode mesmo deixar tu...
Livro “Mamã, tenho Medo do Fogo!” da Chiado Kids chega às ... "Mamã, tenho Medo do Fogo!", com a chancela da Chiado Kids que vai ser apresentado este sábado, 15 de dezembro, às 14h45, no Auditório Municipal da Pa...
Toys”R”Us Espanha e Portugal tem serviço exclusivo para re... A Toys"R"Us Espanha e Portugal tem um novo serviço para este Natal que te permite reservar os teus artigos favoritos, com antecedência, sem necessidad...
Mercado de Campo de Ourique celebra o Natal As luzes estão montadas, a agenda repleta de animação e o mercado ‘Natal made in Portugal’ fazem do mercado mais tradicional de Lisboa paragem obrigat...