Chocolates, livros e roupa/calçado são os presentes que os portugueses esperam receber mais este Natal

Este ano, os chocolates, livros e roupa/calçado estão no topo da lista de presentes mais prováveis de receber, com 57% e 53%, no caso dos dois últimos. Na lista de presentes que tencionam oferecer mais aos seus amigos e familiares, com exceção de crianças e adolescentes, encontram-se os livros, chocolates e roupa/calçado, com 55%, 54% e 49%. De acordo com o Estudo de Natal 2017 da Deloitte, grande parte dos consumidores portugueses tenciona comprar os presentes entre 1 e 24 de dezembro (50%) e, quando optam por comprar em lojas físicas, preferem os centros comerciais.

Conteúdo patrocinado

“Existe um alinhamento entre os presentes que os portugueses consideram mais provável receber e as suas intenções de compra. Entre os países inquiridos, os consumidores portugueses são os que tendem a fazer as compras mais tarde, com cerca de metade a prever fazer as compras durante o mês de dezembro. Por outro lado e ao contrário da maioria dos países europeus, os portugueses preferem fazer as compras em centros comerciais.”, afirma Pedro Miguel Silva, Associate Partner de consultoria da Deloitte.

Chocolates, livros e roupa/calçado mantêm-se no top 3

Não existem diferenças significativas no top 3 de presentes que os portugueses esperam receber mais, face ao ano passado. No entanto, enquanto o segmento masculino considera ser mais provável receber roupa/calçado (51%), o feminino aponta os chocolates (68%), em primeiro lugar. Observa-se no ranking feminino algumas categorias que não constam no top masculino, tais como produtos de beleza, massagens, tratamentos em spa, acessórios (carteiras) e joias/relógios.

O segmento mais jovem (18-34 anos) considera mais provável receber dinheiro (65%), chocolates (62%) e roupa/calçado (59%). Já os inquiridos entre os 35 e os 54 anos referem, em primeiro lugar, os chocolates (58%), seguidos de roupa/calçado (53%) e de cosméticos/perfumes (52%), enquanto os consumidores com mais de 55 anos referem os livros (62%), chocolates (52%) e roupa/calçado (48%) como os presentes mais prováveis de receber.

Quando analisada a lista de presentes que os portugueses tencionam comprar mais para os seus amigos e familiares, excluindo crianças e adolescentes, o top 10 mantém-se praticamente inalterado face ao ano passado. Os livros são o presente mais referido (55%), seguido dos chocolates (54%) e da roupa/calçado (49%). Observam-se pequenas oscilações no final da lista, com a subida de uma posição dos acessórios e a entrada dos jogos, que passam a ocupar o lugar das joias/relógios.

A roupa/calçado é o presente que os consumidores mais tencionam oferecer a menores de 12 anos, seguido de brinquedos de montagem e construção e livros, com 49%, 46% e 39%, respetivamente. No caso dos adolescentes, os presentes que os portugueses tencionam oferecer mais são livros (50%), roupa/calçado (43%) e jogos (36%).

Centros comerciais continuam a ser o local de compra preferido

À semelhança de 2016, os consumidores portugueses tencionam realizar a maioria das suas compras em lojas físicas (89%), nomeadamente em centros comerciais (74%), com exceção da categoria alimentação e bebidas, para a qual privilegiam os hipermercados/ supermercados. Segundo os consumidores este é o canal de distribuição que responde melhor às suas necessidades, sobretudo pelo aconselhamento competente e profissional (89%), serviços pós-venda (87%), política de trocas e devoluções (85%) e proteção dos dados pessoais (82%).

De acordo com o estudo, o comércio eletrónico ainda é visto como um canal alternativo, onde as vantagens mais apontadas são a possibilidade de conhecer a opinião de outros consumidores sobre os produtos (63%), a facilidade em comparar preços (57%) e a opção de entrega em casa (55%). O comércio eletrónico móvel, que surge em terceiro lugar, é valorizado sobretudo pela possibilidade de conhecer a opinião de outros consumidores sobre os produtos (7%), pela facilidade de procurar e escolher o que precisa (6%) e pelo nível de preços (6%).

Preços mais baixos poderiam melhorar a experiência de compra

Quando questionados sobre as áreas onde os retalhistas deveriam investir, os consumidores portugueses indicam, em primeiro lugar, a redução de preços (73%), seguida da política de trocas e devoluções (42%) e de horários de abertura mais alargados (33%). A combinação de produtos produzidos em massa e produzidos localmente na loja é a área onde o investimento dos retalhistas é menos relevante para a experiência de consumo.

Recomendado para si

Mickey celebra o seu 90º aniversário Neste domingo, dia 18 de novembro, o Mickey celebra 90 anos. A data comemora a sua primeira aparição, numa curta-metragem de animação: "Mickey Mouse: ...
Gardena apresenta StarCut 410 Plus no mercado nacional A Gardena apresenta um novo cortador telescópico StarCut 410 Plus que garante um corte exato e preciso e ajuda a alcançar os ramos das árvores, com to...
Renova distinguida com Prémio Bartolomeu de Gusmão na categoria Intern... A Renova foi distinguida com o Prémio Bartolomeu de Gusmão, instituído pelo Ministério da Justiça em colaboração com o Instituto Nacional da Proprieda...
LISOTEL – Hotel & Spa celebra o seu 4º Aniversário com novi... O hotel temático e amigo do ambiente: LISOTEL – Hotel & Spa celebra o seu 4º Aniversário com novidades para os seus hóspedes. Os primeiros 4 anos...
Sonae Arauco investe 42,4M€ na fábrica de Mangualde A Sonae Arauco recebeu, na sex-feira, o Primeiro-Ministro para assinatura de um Contrato de Investimento na fábrica de Mangualde que permitirá criar u...
OLI lança vídeo que sensibiliza para um direito de todos No âmbito do Dia Mundial da Casa de Banho, que se assinala a 19 de novembro, a OLI, marca global de soluções de banho, lança um vídeo que sensibiliza ...