14 °C Lisbon, PT
2018-12-14

Setor do retalho regista maior equilíbrio no crescimento e rentabilidade

  • Receitas das 250 maiores empresas de retalho do mundo atingem os 4,4 biliões (1012) de dólares no ano fiscal de 2016
  • Wal-Mart, Costco Wholesale, The Kroger, Schwarz Group e Walgreens Boots Alliance mantêm a liderança no ranking global
  • Amazon sobe 4 posições e reforça a sua presença no top 10 mundial
  • Jerónimo Martins e Sonae sobem oito posições, alcançando a 56ª e 167ª posições, respetivamente

As receitas agregadas das 250 maiores empresas de retalho a nível mundial atingiram os 4,4 biliões (1012) de dólares no ano fiscal de 2016 (correspondente ao exercício encerrado até junho de 2017), um crescimento de 4,1% face ao ano anterior, de acordo com o estudo Global Powers of Retailing 2018: Transformative change, reinvigorated commerce da Deloitte.

A liderar o ranking global continuam a Wal-Mart, Costco Wholesale, The Kroger, Schwarz Group e Walgreens Boots Alliance. As maiores alterações registam-se nas restantes posições do top 10, devido a uma combinação de fatores que incluem crescimento orgânico, processos de aquisição e variações na taxa de câmbio. Destaca-se nesta edição a subida da norte-americana Amazon.com, do 10º para o 6º lugar, com receitas de perto de 100 mil milhões de dólares, e a entrada da CVS Health para o lugar da Tesco, que deixa de estar entre os 10 maiores retalhistas do mundo. O top 10 passa a representar 30,7% da receita total das 250 maiores retalhistas (30,4% no ano passado).

“O retalho beneficiou de um clima económico favorável, com a generalidade das principais economias mundiais e emergentes a apresentarem crescimento. O setor enfrenta, contudo, ameaças significativas, como a crescente desigualdade no rendimento das famílias, a possível introdução de medidas protecionistas em mercados como os Estados Unidos e o Reino Unido e o abrandamento das políticas monetárias expansionistas pelos principais bancos centrais”, explica Luís Belo, sócio e líder da indústria de Retalho e Bens de Consumo da Deloitte.

Pub

Pela primeira vez em quatro anos, os maiores retalhistas de moda e acessórios não lideram o crescimento das receitas, mas continuam a ser o setor mais rentável. Já os retalhistas alimentares continuam a ser as empresas de maior dimensão, com uma média de receitas de cerca de 21,7 mil milhões de dólares, e com maior representatividade no ranking (135 retalhistas representam mais de metade das 250 maiores empresas e dois terços das receitas agregadas).

Ranking global, ano fiscal de 2016

Ranking Empresa País de origem Receitas no FY16
(US$ milhões)
1 Wal-Mart Stores, Inc. EUA 485,873
2 Costco Wholesale Corporation EUA 118,719
3 The Kroger Co. EUA 115,337
4 Schwarz Unternehmenstreuhand KG Alemanha 99,256
5 Walgreens Boots Alliance, Inc. (antes Walgreen Co.) EUA 97,058
6 Amazon.com, Inc. EUA 94,665
7 The Home Depot, Inc. EUA 94,595
8 Aldi Einkauf GmbH & Co. oHG Alemanha 84,923e
9 Carrefour S.A. França 84,131
10 CVS Health Corporation EUA 81,100
Top 10 1,355,656
56 Jerónimo Martins, SGPS, S.A. Portugal 16,174
167 Sonae, SGPS, SA Portugal 5,669
Top 250 4,410,828

A posição da Europa e de Portugal no ranking

A presença europeia volta a cair no ranking deste ano, com 82 empresas no top 250 (85 no ano fiscal de 2015, 93 em 2014), aumentando a distância face à liderança da América do Norte. Ainda assim, os retalhistas europeus continuam a ser os mais ativos na expansão fora do seu mercado doméstico, tendo realizado perto de 41% do seu volume de negócios em mercados externos, quase o dobro da média do ranking global.

A nível nacional, a Jerónimo Martins e a Sonae registaram uma evolução significativa da sua posição no ranking. A Jerónimo Martins é hoje o 56º maior retalhista mundial (64º na edição anterior), a sua melhor posição de sempre, fruto de um crescimento de cerca de 6,5% no seu volume de negócios, para o qual contribuíram todas as geografias e insígnias do grupo. A Sonae ascendeu ao 167º lugar (175º na edição anterior), tendo os proveitos gerados pelo negócio de retalho ultrapassado, pela primeira vez, a fasquia dos 5 mil milhões de euros. Face ao ano anterior, as vendas cresceram mais de 12%, fruto de crescimento orgânico e de aquisições como a Salsa e o Go Natural.

“A subida de oito lugares no ranking por parte de ambas as empresas é um marco assinável, sobretudo por ocorrer num ano (2016) em que o Euro se manteve relativamente estável face ao dólar norte-americano” afirma Pedro Miguel Silva, sócio da indústria de Retalho e Bens de Consumo da Deloitte.

As principais tendências do setor do retalho

O estudo Global Powers of Retailing 2018 analisou também a forma como as vantagens competitivas neste setor estão a ser redefinidas neste ambiente de acelerada mudança. A inovação, colaboração, integração e automação serão condições essenciais para renovar o comércio ao influenciarem profundamente o modo como os retalhistas operam atualmente e irão operar no futuro.

As quatro principais tendências identificadas pelo estudo são:

Desenvolvimento de competências digitais de elevado valor. Os retalhistas a nível global estão a adaptar-se ao novo tipo de consumidor – cada vez menos fiel a um só canal, valorizando um processo de compra cada vez mais fluído que alterna entre o online e o offline.
Combinação de canais para recuperar o tempo perdido. Os retalhistas que não acompanharam as tendências do digital estão a tentar recuperar o tempo perdido, investindo fortemente nesta área.
Criação de experiências em loja que sejam únicas e envolventes. As lojas físicas de retalho não vão desaparecer; 90% das vendas mundiais em retalho são ainda feitas nas lojas físicas. Contudo, e para concorrer com a conveniência e a infindável variedade de escolha que é oferecida online, é crucial haver na loja experiências com significado para o cliente e envolvimento com a marca.
Reinvenção do retalho com as mais recentes tecnologias. A Internet das Coisas (IoT – Internet of Things), a inteligência artificial, a realidade aumentada e virtual, e a robótica devem estar no radar de todos os retalhistas.

“É um momento de transformação para o retalho. Capacitado pela tecnologia, o comprador está claramente no comando, mantendo-se constantemente conectado e estando mais habilitado do que nunca para conduzir a sua jornada de compra onde, quando e como quer”, destaca Pedro Miguel Silva, da Deloitte. “Perante a ameaça de disrupção, os retalhistas têm vindo a abraçar o omnicanal como o padrão do processo de compra, dando aos consumidores mais informação, conveniência e variedade nos canais e momentos de contato da sua escolha.”

Na sua 21ª edição, o estudo anual Global Powers of Retailing da Deloitte identifica os 250 maiores retalhistas do mundo e analisa o desempenho obtido pelo setor, ao nível do volume de negócios, crescimento e rentabilidade nas várias geografias, segmentos de atividade e formatos de loja.

Recomendado para si

Cesta Doudou Passo a Passo dos Laboratórios LETI, para cuidar do bebé... Os Laboratórios LETI, especializados no cuidado da pele de toda a família, apresentam um novo produto da gama Baby Semabed, a ‘Cesta Doudou Passo a Pa...
Neste Natal a Makro deseja a todos “um bom cabaz” A Makro Portugal iniciou a sua campanha de Natal com o mote “Neste Natal desejamos a todos um bom cabaz”, campanha que decorrerá até 31 de dezembro. ...
Camaleon Cosmetics apresenta batons coloridos para inverno Após um verão cheio de cor, a marca espanhola de cosmética de cor, Camaleon Cosmetics, lança em Portugal uma nova gama de batons de inverno, os Basic ...
Passagem de Ano na Toca da Raposa Entre na toca e, ao som dos anos 70, com menu do chef Manuel Libeaut e cocktails da Raposa Silvestre, entre em 2019 a não querer sair da Toca…da Rapos...
Miradouro Amoreiras 360º Panoramic View ultrapassa os 100 mil visitant... Um miradouro é sempre um dos melhores espaços para observar as dinâmicas e paisagens de uma cidade. Há mais de dois anos, o Amoreiras Shopping Center ...
“Hora do Natal” Limiano ajuda este ano mais de 2900 famíli... Inspirada no conceito "Podemos sempre fazer mais", marca Limiano dedica uma hora da produção da sua fábrica a esta iniciativa, alcançando 3.500 Kg de ...