Generali equipa residências de acolhimento a grávidas e mães

A Generali doou cerca de duas dezenas de equipamentos e de eletrodomésticos para equipar as residências da Ajuda de Mãe destinadas a grávidas e mães com dificuldades económicas e sociais.

Esta iniciativa insere-se na política de responsabilidade social corporativa da companhia, que tem como um dos seus objetivos proporcionar às pessoas desfavorecidas a oportunidade de transformar as suas vidas e das suas famílias, contribuindo para a sua inserção e desenvolvimento na Comunidade.

Santi Cianci, CEO da Generali em Portugal, realça que “no último ano, a Generali lançou a iniciativa The Human Safety Net, com a missão de ajudar as comunidades mais vulneráveis a nível mundial. Esta preocupação é também uma realidade em Portugal, onde procuramos ajudar os que mais precisam nas comunidades onde estamos presentes. Este apoio à Ajuda de Mãe vai beneficiar todos os utentes das suas residências para grávidas e mães, sendo um pequeno contributo que esperamos que ajude a melhorar o seu dia a dia”.


Pub

A Ajuda de Mãe apoia por ano cerca de 1.000 grávidas e famílias, das quais 150 adolescentes. A instituição conta com três residências na região de Lisboa, que acolhem cerca de 90 mães e bebés.

No âmbito da sua atividade, proporciona formação de competências às mães, de forma a criar condições que favoreçam a sua inserção no mercado de trabalho, apoiando inclusive na identificação de oportunidades de emprego. No último ano, a sua atuação permitiu reinserir no mercado de trabalho mais de 300 mães e familiares.

Ajuda de Mãe tem como missão apoiar Grávidas e Famílias para que o nascimento do bebé seja um fator de melhoria de vida da família. Ao longo dos anos tem desenvolvido e consolidado projetos de atendimento e acompanhamento, formação, o acolhimento de mães e a reinserção profissional de mães e famílias e que de um modo geral procuram promover o desenvolvimento das suas competências parentais, pessoais e sociais de modo a promover a autonomia efetiva de cada agregado familiar. Recentemente, juntou a estes serviços a Escola do Arco com valências de creche e pré-escolar, que é frequentada por cerca de 130 crianças.

As Famílias acompanhadas são, na sua maioria, monoparentais femininas, (70%) socialmente desfavorecidas, com carências várias que podem ter como consequência falta de condições para receber e criar dignamente o seu filho e, portanto, originar situações de exclusão.

Artigos relacionados