Alex Atala em Portugal para falar sobre activismo gastronómico

A Gare Marítima de Alcântara, em Lisboa, recebe o IV Simpósio Sangue na Guelra, a 23 de Abril. O tema é COOKTIVISM e o debate trará à cidade os chefs Alex Atala, do restaurante D.O.M (Brasil), Bo Songvisava & Dylan Jones, a dupla do restaurante Bo-Lan (Tailândia), e Douglas McMaster, mentor do restaurante Silo (Inglaterra), onde adopta a filosofia de desperdício zero radical. Ao painel juntam-se ainda Francisco Sarmento, representante da FAO em Portugal (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura), Alexandra Forbes, responsável pelo projecto Refettorio Gastromotiva e jornalista especializada, Rita Sá, da Associação Natureza Portugal da WWF e Alfredo Sendim, produtor da Herdade do Freixo do Meio.

Pelo meio, o Symposium Redux, um almoço cheio de acção preparado por três dos melhores cozinheiros da nova geração em Portugal: Manuel Liebaut (I+D, LOCO), Luís Gaspar (Chefe Cozinheiro do Ano 2017 e Sala de Corte) e Carlos Mateus (Avenida SushiCafé).

No seguimento do trabalho iniciado em Maio de 2017 com diversos cozinheiros, investigadores, activistas, jornalistas e pensadores — em que foi lançado o Manifesto para o Futuro da Cozinha Portuguesa —, impunha-se uma atitude mais activista, política e concreta na forma como pensamos e abordamos a gastronomia. Ana Músico, co-organizadora do Simpósio Sangue na Guelra, esclarece: “O Manifesto 0.0, que lançámos no ano passado, é um compromisso para a acção política e pode definir denominadores comuns de uma cozinha que fala muitas línguas, aberta ao mundo, mas que não perde de vista a sua identidade. Depois de criado, temos que o levar para o terreno e para o plano da eficácia, da concretização. Este desafio é a grande inspiração para esta edição do Simpósio Sangue na Guelra”.

Alex Atala, uma das principais figuras do activismo gastronómico mundial, fundador do Instituto ATÁ e proprietário do restaurante D.O.M, em São Paulo, é o cabeça de cartaz do evento, cujo objectivo maior é trazer mais conhecimento e inspiração aos principais agentes da nossa gastronomia, dos profissionais da área aos consumidores e ao público em geral.
Paulo Barata, também responsável pela organização do evento, acrescenta: “cozinhar é muito mais do que fazer um prato de comida; a cozinha deve ser cerebral e interventiva, por isso esta discussão é fundamental”. Para que se analise a importância do activismo na cozinha actual, a dupla de organizadores do simpósio traz agora a Lisboa um painel de conhecedores que protagonizam esta tendência na gastronomia mundial (consultar horário completo em baixo).

Algumas das questões que iremos debater: o papel dos cozinheiros enquanto agentes da sustentabilidade; a importância da agricultura familiar; os Oceanos e a biodiversidade em perigo; o direito humano à alimentação e nutrição adequadas; os desafios dos produtores. Como é que cada um de nós pode fazer a diferença no mundo?

O evento começa às 9h00, com o pequeno-almoço de boas-vindas, e estende-se até às 18h30, quando será apresentado o apoio dos cozinheiros portugueses à campanha AlimentAcção, em parceria com a FAO Portugal e a ACTUAR. Cada entrada tem o valor de 60€ e, para quem não puder marcar presença o dia inteiro, há um bilhete de apenas 25€ para o Symposium Redux, o almoço elaborado por três cozinheiros da nova geração e com iniciativas paralelas: Manuel Liebaut (I+D, LOCO), Luís Gaspar (Sala de Corte) e Carlos Mateus (Avenida SushiCafé).

Os estudantes das escolas de hotelaria e cozinha pagam apenas 45€, mediante apresentação de comprovativo / cartão de estudante no check-in, no local do evento.

PROGRAMA

  • 09h00 – 10h00 Check-in / Pequeno-almoço de boas-vindas
  • 10h00 – 10h45 Francisco Sarmento, representante da FAO em Portugal
  • 10h45 -11h30 Alfredo Sendim, produtor da Herdade do Freixo do Meio
  • 11h30 – 12h15 Bo Songvisava & Dylan Jones, chefs Bo.Lan, Tailândia
    12h15 – 13h00 Alexandra Forbes, responsável pelo Refettorio Gastromotiva e jornalista de gastronomia
  • 13h00 – 15h00 Symposium Redux – Almoço
  • 15h00 – 15h55 Rita Sá, da Associação Natureza Portugal da WWF (World Wide Fund for Nature)
  • 15h45 – 16h30 Douglas McMaster, chef Silo, Inglaterra
  • 16h30 – 17h45 Alex Atala, chef D.O.M. e fundador Instituto ATÁ, Brasil
  • 17h45 – 18h15 Apoio dos cozinheiros à campanha AlimentAcção (parceria FAO Portugal e ACTUAR)

Recomendado para si

Marisco reinventa-se na nova carta do Quiosque Ribadouro O Quiosque Ribadouro, espaço que pertence à Cervejaria Ribadouro, começa o Outono com grandes novidades que passam não só pela carta como também pelo ...
Oliveira da Serra regressa com uma edição especial o Melhor ... Oliveira da Serra regressa com uma edição especial o Melhor Azeite do Mundo, produto que surge depois da marca ser reconhecida com a mais alta distinç...
“A Cerveja em Lisboa” vai ter a sua segunda ediç... A Cerveja em Lisboa vai ter a sua segunda edição no Campo Pequeno, de 4 a 7 de Outubro de 2018. Com um conceito ao estilo do Oktoberfest alemão, o ev...
Tarte de Amêndoa e Figo chega em exclusivo ao El Corte Inglé... A amêndoa voltou a sonhar, com alguém com quem sempre partilhou bons momentos: o figo. E, assim, nasceu a mais nova criação de A TARTE por considerar ...
Garrafeira Nacional distinguida pelo município de Lisboa A Garrafeira Nacional, uma das mais antigas garrafeiras do país, foi reconhecida como “Loja com História”. A distinção atribuída pela Câmara Municipal...
O Ilha chegou para redescobrir a Madeira Foi lançado ontem, na Garrafeira Nacional, o vinho Ilha, uma trilogia de vinhos criada a partir de uma única casta, a Tinta Negra. A autora desta cria...