O fascinante mundo da cognição canina e felina

Se é dono de um cão, é provável que conviva com ele tão intimamente como com qualquer outro membro da família. Partilham grande parte do seu quotidiano, brincam juntos, passam os tempos livres a relaxar em conjunto, e quase metade dos donos de cães até gosta que durmam na sua cama. Já o gato parece mais uma página em branco, com alguns esgares faciais para nos ajudar. São animais reservados e ferozmente independentes com uma veia curiosa. Podem ser brincalhões mas pouco sociáveis. Comunicam connosco, mas nos seus termos, e muitas vezes deixam bem claro que não querem a nossa companhia.

Mas serão os cães realmente capazes de percorrer quilómetros para voltar a casa ou detetar um cancro antes de ser diagnosticado? Ou serão os gatos realmente capazes de pressentir a morte iminente de alguém ou a chegada de um terramoto?

O Que Sabe o Seu Cão? e O Que Sabe o Seu Gato? (Vogais | 192 pp | 15,49€) vem explorar o fascinante mundo da cognição canina e felina. Analisa os cinco sentidos básicos e apresenta uma visão do mundo pelos olhos dos cães e dos gatos, para que possamos compreender e comunicar com eles, oferecendo ainda testes práticos para aferir e até impulsionar a inteligência destes animais de estimação.

CURIOSIDADES

Sabia que, para além de serem conhecidos pelo alcance do seu faro, os cães são também exímios na utilização dos restantes sentidos. Conseguem ouvir sons a grandes distâncias e captá-los em frequências impossíveis para o ouvido humano, possuem uma boa visão periférica e são capazes de usar os bigodes para detetar alterações subtis na pressão do ar. Como tal, não é de admirar que o dono encontre o cão à porta assim que chega a casa.

No que se refere aos sentidos, os gatos têm vantagem sobre os humanos. Ouvem sons a distâncias mais longínquas e frequências de maior amplitude, têm um nariz mais sensível, apresentam uma melhor visão periférica e os seus bigodes conseguem detetar alterações subtis na pressão do ar. Como tal, não é de admirar que o gato se esgueire para a porta muito antes de o dono se aperceber de que alguém está a chegar.

Artigos relacionados