Crasto Branco, Tinto ou Rosé?

A Quinta do Crasto, produtor de vinhos e azeites no Douro, acaba de lançar as novas colheitas Crasto Branco 2017, Crasto Tinto 2016 e Crasto Rosé 2017. Com perfil moderno e elegante, estes vinhos partilham a missão de expressar as várias facetas do terroir do Douro, reforçando o seu potencial para a produção de vinhos de elevada qualidade e aptidão gastronómica.

Sedutores e descomplicados, estes vinhos assumem-se como os cúmplices perfeitos da gastronomia contemporânea, revelando uma surpreendente versatilidade na mesa e no copo. Pelo seu perfil fresco e aromático, adaptam-se com facilidade a diferentes momentos de consumo, acompanhando o ritmo dos sabores de primavera.

O Crasto Branco 2017 apresenta-se como uma memória viva de uma vindima que ficaria para a história da Quinta do Crasto como a mais precoce de sempre, marcada por condições climatéricas atípicas. A experiência da equipa de enologia da casa foi chamada a intervir, através de um acompanhamento rigoroso em toda a vindima. O resultado foi uma colheita excecional, surpreendendo a própria região, com uvas de excelente concentração de sabores e perfeita acidez.

Elaborado à base de Viosinho, Gouveio e Rabigato, as castas brancas tradicionais do Douro, este vinho caracteriza-se pela cor citrina brilhante e pela explosão aromática ao primeiro contacto. Com notas de frutos tropicais, a fazer lembrar maracujá fresco, acompanha na perfeição os pratos típicos da estação como grelhados, mariscos ou petiscos leves.

Igualmente resistente às condições adversas da colheita de 2017, surge a segunda edição do Crasto Rosé, o elemento mais novo da família da Quinta do Crasto. Um vinho refrescante, equilibrado e com grande potencial gastronómico, acompanhando pratos leves e delicados como saladas, carnes brancas ou mariscos e peixes, mas também para pratos mais desafiantes e complexos, não perdendo brilho com especiarias ou temperos mais apurados.

Fiel aos atributos únicos das castas tradicionais do Douro que o compõem – Tinta Roriz, Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Barroca – e com a particularidade de não estagiar em madeira, o Crasto Tinto 2016 afirma-se com um dos principais cartões de visita do produtor. Com uma envolvente frescura e aroma de frutos silvestres, revela uma estrutura elegante e final persistente. É a escolha perfeita para os dias mais frescos da estação, acompanhando pratos mais complexos à base de carnes vermelhas e especiarias.

Com o certificado de garantia da Quinta do Crasto, estes vinhos estão prontos para celebrar os momentos de descontração da nova estação, estando já disponíveis no mercado. A distribuição é exclusiva da Heritage Wines.

Recomendado para si

Marisco reinventa-se na nova carta do Quiosque Ribadouro O Quiosque Ribadouro, espaço que pertence à Cervejaria Ribadouro, começa o Outono com grandes novidades que passam não só pela carta como também pelo ...
Oliveira da Serra regressa com uma edição especial o Melhor ... Oliveira da Serra regressa com uma edição especial o Melhor Azeite do Mundo, produto que surge depois da marca ser reconhecida com a mais alta distinç...
“A Cerveja em Lisboa” vai ter a sua segunda ediç... A Cerveja em Lisboa vai ter a sua segunda edição no Campo Pequeno, de 4 a 7 de Outubro de 2018. Com um conceito ao estilo do Oktoberfest alemão, o ev...
Tarte de Amêndoa e Figo chega em exclusivo ao El Corte Inglé... A amêndoa voltou a sonhar, com alguém com quem sempre partilhou bons momentos: o figo. E, assim, nasceu a mais nova criação de A TARTE por considerar ...
Garrafeira Nacional distinguida pelo município de Lisboa A Garrafeira Nacional, uma das mais antigas garrafeiras do país, foi reconhecida como “Loja com História”. A distinção atribuída pela Câmara Municipal...
O Ilha chegou para redescobrir a Madeira Foi lançado ontem, na Garrafeira Nacional, o vinho Ilha, uma trilogia de vinhos criada a partir de uma única casta, a Tinta Negra. A autora desta cria...