«Pássaros na Boca», de Samanta Schweblin

Em Pássaros na Boca, antologia de contos galardoados com o prémio Casa de las Americas, Samanta Schweblin reuniu dezoito histórias onde, tal como num filme de Lynch ou num pesadelo de Kafka, o insólito e o grotesco irrompem com violência na normalidade do quotidiano, deixando à sua mercê personagens e leitores.

É este o mundo de Samanta Schweblin, um território privado que nos obriga a participar ativamente no desvendar dos enigmas que servem de chão ao conto e a sermos espetadores do teatro das relações humanas. A obra conta com ilustrações de Lord Mantraste. Tradução de Sofia Castro Rodrigues e Virgílio Tenreiro Viseu. Os primeiros capítulos estão disponíveis para leitura aqui.

«Se bateres muito com a cabeça de alguém no asfalto – mesmo que seja para a obrigar a ser razoável –, é provável que acabes por lamentá-lo. Esta foi uma coisa que a minha mãe me ensinou desde o princípio, no dia em que bati com a cabeça de Fredo no chão do pátio do colégio.»

Sobre a autora:

Samanta Schweblin nasceu na Argentina, em 1978. O seu primeiro livro, El Núcleo del Disturbio, venceu o Concurso Nacional Haroldo Conti, em 2001, e, em 2008, o premio Casa de las Americas com o seu livro La Furia de las Pestes, tendo sido considerada uma das 22 melhores escritoras em língua espanhola pela revista Granta, em 2010. O livro Distância de Segurança (Elsinore), integrou a longlist da edição de 2017 do Prémio Man Booker Internacional e está publicado em 25 países. Schweblin viveu no México, Itália e China, residindo atualmente em Berlim.