16 °C Lisbon, PT
2019-02-22

Empresas portuguesas não aceitam moeda digital como método de pagamento

Os resultados do European Payment Report 2018, que analisa o comportamento de pagamentos das empresas e do Estado, demonstram que, atualmente, das empresas portuguesas inquiridas, nenhuma (0%) aceita criptomoedas (Bitcoin ou Ethereum) como método de pagamento por parte dos seus clientes.

Das empresas europeias inquiridas apenas uma média de 2% afirma aceitar as criptomoedas como pagamento, à exceção do Reino Unido, onde 15% das empresas afirmam que o fazem.

Contudo, apenas 2% das empresas europeias inquiridas declararam que detêm moedas criptográficas para outros fins que não as transações de pagamento, mas sim, por exemplo como veículos de investimento.

Pub

Uma criptomoeda (um tipo de moeda Digital descentralizada) é um meio de troca através da tecnologia de blockchain e da criptografia que pretende assegurar a validade das transações e a criação de novas unidades da moeda.

Este fenómeno global é um dos temas mais falados na atualidade, mas o mercado de criptomoedas como opção de pagamento na Europa ainda é imaturo, como confirma o estudo da Intrum.

O Relatório da Intrum, que inquiriu um total de 9 607 empresas, de 29 países europeus, entre 24 de janeiro e 23 de março de 2018, concluiu que, no prazo de dois anos, 78% das empresas portuguesas não pretendem adotar este método de pagamento e 20% não sabem se o farão. A nível europeu, 87% das empresas dizem explicitamente que não adotarão criptomoedas nos próximos dois anos.

Luís Salvaterra, Diretor-Geral da Intrum Portugal realça que “As criptomoedas, como o Bitcoin ou o Ethereum, têm sido um tema muito debatido nos últimos dois anos, tanto como forma de pagamento, como nos potenciais veículos de investimento, ou mesmo num contexto social mais amplo, onde as criptomoedas e a tecnologia subjacente, são vistas com tendo grande potencial disruptivo. Ainda assim, este método de pagamento é bastante desconhecido para a maior parte das pessoas e empresas, acabando por gerar alguma desconfiança e receio devido às notícias de ciberataques de hackers que têm ocorrido a nível mundial, por exemplo”.

Recomendado para si

Kapten passa a estar presente no Google Maps em Portugal Com o objetivo de otimizar e melhorar a qualidade dos seus serviços, a Kapten permite, a partir de agora, que os utilizadores do Google Maps possam se...
ambarscience com novos brinquedos de madeira para maiores de 3 anos A ambarscience amplia o seu portefólio de brinquedos para os pequenos exploradores e cientistas com mais de 3 anos ao lançar 6 novidades educativas e ...
Novidades Sephora da marca de skincare Patchology Nesta primavera as lojas físicas e online da Sephora vão ter o novo gel hidratante de uso diário AquaFlash da Patchology. Este luxuoso gel à base de á...
Brasmar entre os patrocinadores do Concurso Chefe Cozinheiro do Ano O Concurso Chefe Cozinheiro do Ano chega, em 2019, à 30.ª edição e vai ter Bacalhau, Polvo e Camarão da Brasmar à disposição dos concorrentes. São tr...
Akilhiver, com nova imagem, atua no combate a frieiras e gretas Akilhiver, que apresenta uma nova imagem, é a solução para as frieiras e as gretas que com o frio começam a aparecer sendo o desconforto que causam di...
Manuel Alvarez assume presidência da Associação Portuguesa de Franchis... A Associação Portuguesa de Franchising (APF) tem um novo presidente. Manuel Alvarez, presidente da RE/MAX Portugal, a maior rede de franchising no paí...