Chef Bertílio Gomes apresenta a sua proposta de menu “A Última Ceia” para o Canal História

Para assinalar a Semana Santa, o Canal História estreia em exclusivo pelo nono ano consecutivo, uma nova edição de “A Última Ceia”, a programação especial dedicada à reinterpretação gastronómica do menu mais famoso da História – a ceia de Jesus Cristo com os apóstolos -, por parte de prestigiosos chefs portugueses.

Este ano, para a IX edição, o desafio de elaborar o menu Histórico adaptado aos dias de hoje foi lançado pelo Canal História ao Chef Bertílio Gomes, um cozinheiro de referência em Portugal que trabalha como um artesão, dedicado à reinterpretação da gastronomia tradicional portuguesa, assumindo a comida como uma forma de cultura e expressão de identidade. A sua proposta pode ser vista no canal, a partir do dia 26 de março, às 22h10 com repetições até à Páscoa, dia 4 de abril.

O Chef Bertílio Gomes junta-se assim à lista de chefs que já participaram em edições anteriores como: Miguel Laffan, João Alves, Kiko Martins, Pedro Almeida, Miguel de Castro e Silva, Henrique Sá Pessoa, Vítor Sobral, Diogo Noronha, Rui Paula e Nuno Bergonse.

“Estou completamente convicta de que o Chef Bertílio Gomes trouxe a este projeto uma abordagem muito interessante, original e surpreendente, com uma confeção imaculada, cheia de sabores combinada de tradição e história, sem desrespeitar a sua ligação à terra e ao sul de Portugal, mas também assente na atualidade. Devido à situação pandémica que vivemos atualmente, foram muitas as empresas que tiveram de se reinventar e inovar e o nosso projeto de “A Última Ceia” não foi exceção! Este ano, A Última Ceia foi transformada num take away premium e segue as novas tendências de uma alimentação mais saudável”, afirma Carolina Godayol, Diretora Geral do The History Channel Ibéria.

Bertílio Gomes, cuja ligação à terra e ao sul de Portugal marcam a sua vida e a sua cozinha, viu este desafio como uma oportunidade de reflexão sobre o episódio de um acontecimento histórico que, de alguma forma, determinou o futuro da humanidade.

“Penso que a Última Ceia foi principalmente um momento de encontro e de partilha onde o que se comeu foi secundário. Pensa-se que é muito provável que Jesus Cristo e os restantes apóstolos tivessem uma alimentação mais à base de elementos vegetais, sendo esta celebração da Semana Santa, assinalada pela abstinência de carne, por ser considerada uma luxúria e um alimento impuro para o corpo”, refere Bertílio Gomes.

“Inspirando-me nestes dados penso que o tema é muito atual e vai ao encontro das novas tendências alimentares de muitas pessoas que procuram uma alimentação mais saudável, centrada no mundo vegetal, sobretudo agora, por estarmos a viver uma pandemia global devido à Covid-19, que se pensa ter sido originada na ingestão de animais doentes. Pegando nestes factos, segui a minha recriação sem perder as bases históricas”, conclui.

A ementa apresentada pelo chef será em forma de petiscos/tapas, em cinco propostas que podem ser apreciadas em pequenas porções e recorrendo apenas às mãos. Assim, existe a possibilidade de provar várias iguarias, incluindo uma sobremesa.

Os petiscos são maioritariamente vegetais, indo ao encontro dos hábitos alimentares daquela época e, curiosamente, às tendências e necessidades de mudança de hábitos alimentares atuais, de forma a encontrar uma alimentação mais saudável e sustentável.

“Esta forma de comer promove a convivialidade e a partilha entre os convivas e está muito enraizada na nossa cultura, à semelhança de todos os países de influência mediterrânica. O critério de escolha dos ingredientes foi essencialmente os disponíveis nesta época do ano e os referidos nos evangelhos bíblicos, que refletem os hábitos alimentares da época, tais como o pão ázimo, o vinho, o grão, as favas, as lentilhas, o figo e as ervas. Acabei por colocar também um petisco de peixe, por ser um elemento tradicional e refletir a cultura portuguesa”, explica Bertílio Gomes.

Tártaro de beterraba com grão e ervas amargas

“O grão é uma leguminosa referida na Bíblia e existem várias fontes que mencionam ser um dos alimentos base da alimentação da época. O pão de grão é feito com farinha de grão e, à semelhança do pão ázimo, não é fermentado. As ervas amargas são agrião, azedas, chicória e dente-de-leão e estão presentes na Bíblia. Já eram consumidas pelos Hebreus no Egipto desde o tempo de Moisés”.

Lentilhas com queijo de cabra, tomate confit e kale

“As lentilhas são igualmente uma leguminosa mencionada na Bíblia; a cabra era um dos animais permitidos e consumidos naquele tempo, mas eram sobretudo criadas para o seu leite, muito apreciado”.

Favas e trigo em pétalas de cebola assada

“Tanto o trigo como as favas são alimentos bíblicos e bastante representativos da cultura Portuguesa”.

Morcela Vegetal

“Este é um prato criado por mim e disponível no menu da Taberna Albricoque regularmente. Consiste numa salada de cenouras assadas, temperada com cominhos – uma especiaria muito utilizada no Médio Oriente – e azeitonas, também ela um ingrediente bíblico.

Tártaro de carapau com figos secos e amêndoas

“O peixe é um dos símbolos do catolicismo, já que alguns dos apóstolos eram pescadores. Este carapau é curado em salmoura, uma técnica de conservação de alimentos já aplicada nesta época; a figueira é uma árvore abundante desta zona, sendo o figo referenciado na Bíblia inúmeras vezes. Existe uma grande afinidade da minha cozinha com este produto, visto que tenho muitas influências do Algarve”.

Sorvete de vinho tinto com especiarias e frutos vermelhos com rabanada de folar da Páscoa

“O Folar da Páscoa é uma das preparações culinárias da doçaria portuguesa mais representativas da Páscoa, que neste caso servirá para fazer uma rabanada – também uma sobremesa tradicional. O vinho é um dos dois elementos referidos na Última Ceia e as especiarias são um elemento predominante na cozinha do Médio Oriente”.

Todos os petiscos serão acompanhados de Pão ázimo.

Em paralelo à emissão do especial, o chef disponibilizará o menu de petiscos recriado para o canal na Taberna Albricoque, localizada mesmo ao lado da Estação de Santa Apolónia, em Take away, durante a Semana Santa, pelo preço de 40€ para 2 pessoas (opcional, vinho de Talha Sátiro Clandestino 15€).

Check Also

João Pires Branco e Rosé 2023: a frescura do Moscatel para fazer companhia ao verão

As colheitas de 2023 do João Pires Branco e do João Pires Rosé já estão …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.